domingo, 26 de junho de 2016

Folha elimina Aécio. Quem sobra no PSDB?

247 – Em outubro de 2014, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) era dono de um imenso capital político. Havia conquistado 48,5% dos votos e por muito pouco não chegou à presidência da República. Depois de tal desempenho, o melhor entre todos os candidatos tucanos nas quatro derrotas presidenciais sofridas pelo PSDB desde 2002, Aécio tinha tudo para se preparar com calma para 2018.
O parlamentar mineiro, no entanto, decidiu ser menos Tancredo Neves e mais Carlos Lacerda. Assumiu um discurso moralista e apostou no 'quanto pior, melhor', quando até as montanhas de Minas sabiam que esse não seria um caminho apropriado para seu sucesso na política.
Resultado: ainda que a presidente Dilma Rousseff tenha sido provisoriamente afastada do seu cargo, graças à aliança entre Aécio e Eduardo Cunha (PMDB-RJ), poucos políticos sofreram tantos danos nos últimos anos quanto o presidente nacional do PSDB.
Aécio já foi citado por diversos réus da Lava Jato como chefe de um mensalão em Furnas, por Delcídio Amaral como responsável por maquiar dados da CPI dos Correios (o que será confirmado por Marcos Valério) e agora será citado por Léo Pinheiro, da OAS, como cobrador de uma propina de 3% nas obras da Cidade Administrativa de Minas Gerais (leia aqui).
Léo Pinheiro diz ter provas e documentos para provar como os recursos ilícitos eram pagos, por meio de Oswaldo Borges da Costa, tesoureiro informal de Aécio e dono do avião utilizado pelo parlamentar.
Alckmin, Marconi e Serra
Com isso, o presidente nacional do PSDB fica praticamente excluído da próxima disputa presidencial, abrindo espaço para três nomes no PSDB: os governadores Geraldo Alckmin, de São Paulo, e Marconi Perillo, de Goiás, assim como o chanceler José Serra. Contra Alckmin, pesa o fato de ser o político mais rejeitado pela juventude brasileira, por seu perfil extremamente conservador. Contra Serra, há a sua associação com o governo ilegítimo de Michel Temer e também o fator da idade já avançada.
Aécio seria o candidato natural do PSDB. Mas depois de quase chegar ao poder em 2014, ele apostou no 'quanto pior, melhor', incentivou o golpe parlamentar contra a presidente Dilma e acabou se dando mal.

Inversões

Jânio de Freitas - Folha de S.Paulo
Numerosos senadores, inclusive do anti-PT, reagiram à batida da Polícia Federal, em busca do ex-ministro Paulo Bernardo na residência da senadora Gleisi Hoffmann, em imóvel do Senado. A PF agiu sem a autorização da única instância autorizada a dá-la -- o Supremo Tribunal Federal. Admitir que a direção e delegados da PF não soubessem dessa exigência seria depreciá-los por muito pouco. O mesmo se pode dizer do juiz que, sem competência para tanto, emitiu a autorização.
O que talvez se torne explicável pela relação de Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Federal Criminal de SP, com sua orientadora Janaína Paschoal -- a coreográfica advogada que recebeu dinheiro do PSDB para fazer um parecer sobre o impeachment de Dilma (Em tempo: que se saiba, não é em coreografia política que o juiz se faz orientar).
De fato, há erros demais para um só episódio. Mas se o Senado ainda não percebeu, na atual inversão de autoridade e de preceitos os senadores estão ultrapassados no status institucional. Têm situação ainda muito melhor que a dos deputados, mas inferior à da Polícia Federal, de parte do Ministério Público e de parte do Judiciário. Na semana passada, até o Supremo precisou reagir, por intermédio do ministro Teori Zavascki, à apropriação de atribuições judiciais suas pela Polícia Federal.
É a sério essa observação. Estamos a caminho, já entrados nele, de muitas inversões radicais, para um novo regime. Seria melhor começar a observá-lo.

Safadão diz que vai doar dinheiro em Caruaru

Do G1 -
Após a Justiça questionar o cachê de R$ 575 mil no São João 2016 de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, o cantor Wesley Safadão disse que vai doar o dinheiro para instituições de caridade do município. Ele falou neste sábado (25) que "o dinheiro de Caruaru voltará para Caruaru" e que tocaria na cidade "até de graça". Uma ação popular impetrada por advogados pediu o cancelamento do show, alegando suspeita de superfaturamento no cachê do artista.
No dia 22 de junho, o juiz José Fernando Santos de Souza deferiu uma liminar para suspender o show de Wesley Safadão. A decisão foi tomada após três advogados do município entrarem com uma ação popular para pedir o cancelamento do show. No mesmo dia, o desembargador José Viana Ulisses acatou o pedido da Prefeitura de Caruaru e decidiu que a apresentação deveria ser realizada.
Durante a apresentação deste sábado no Pátio de Eventos Luiz Gonzaga, Wesley Safadão disse que foi questionado nas redes sociais sobre o valor cobrado no cachê e afirmou que vai doar o dinheiro  para instituições carentes do município. O anúncio foi feito quase no final do show - que durou duas horas. "Se o problema é dinheiro, pode espalhar aí que o meu cachê está voltando para Caruaru para ajudar a quem realmente precisa. Em Caruaru eu toco até de graça. O que eu não quero é ficar de fora desta festa", afirmou o artista.

Uma pessoa morre e duas feridas em quadrilha junina

Do Diário de Pernambuco
Com informações da repórter Jaqueline Bandeira, da TV Clube/Record


Duas pessoas ficaram feridas e uma morreu durante apresentação da quadrilha junina Forró Baião Nordestino em Lagoa de Itaenga, Zona da Mata Norte de Pernambuco, na noite deste sábado (25). O grupo, natural de Paudalho, estava na cidade para participar dos festejos de São João. Um atirador chegou ao local e disparou contra os brincantes, causando tumulto na multidão.
Os três feridos foram socorridos e levados ao Hospital da Restauração, na área central do Recife. Orlando José dos Santos, 17 anos, morreu no centro médico. As outras vítimas, uma adolescente de 16 anos, baleada nas costas, e Rodrigo Silva de Souza, 18 anos, ferido no rosto, seguem em observação. Segundo a polícia, Orlando seria usuário de drogas e alvo do atirador. Este último conseguiu fugir do local em meio à confusão provocada pelo tiroteio.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Nova rede social do fundador do Orkut já tem data para chegar ao Brasil

Do olhar digital- O Orkut não existe mais, mas deixou uma lacuna no coração de milhões de usuários que, mesmo que não usassem mais com tanta frequência o serviço, ainda nutriam uma nostalgia pela rede social. Afinal de contas, o site nasceu nos Estados Unidos, mas se tornou quase totalmente brasileiro. Para esse público, está chegando o Hello.
Trata-se da nova rede social de Orkut Büyükkökten, o programador turco que criou uma rede social enquanto trabalhava no Google que acabou recebendo o seu próprio nome. Sua nova empresa lançou recentemente um aplicativo, que está previsto para chegar ao Brasil em agosto deste ano.
A Hello Network foi lançada há poucos meses no exterior, e está disponível em poucos países, por enquanto. Funcionando apenas em inglês, apenas usuários nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Nova Zelândia podem baixar o aplicativo no Google Play e na App Store. O público brasileiro deve ser contemplado junto com o Reino Unido, Irlanda, França, Alemanha, México e Índia em uma segunda fase de expansão.
A rede social está dando seus primeiros passos depois de pelo menos dois anos em desenvolvimento. Em setembro de 2014, o Olhar Digital noticiou que Orkut havia fundado sua própria empresa para criar a Hello Network.
Na ocasião, o projeto era descrito como “uma comunidade única de usuários que celebram a amizade, imaginação, expressão e engajamento autêntico em um ambiente seguro” que encoraja usuários a “se engajar em exploração social direcionada e compartilhamento de conteúdo com conexões fascinantes que se relacionam com partes diversas de sua personalidade”.
Para conhecer melhor o projeto, acesse o Hello neste link. Os aplicativos ainda não são baixáveis por usuários brasileiros, mas você pode conferi-los no Google Play por este link e na App Store por este link

Sílvio Costa ataca PSB e cobra explicações sobre Operação Turbulência

“Não podemos construir em nosso Estado a prática da ética da malandragem”. É o que afirma o deputado federal Sílvio Costa (PTdoB-PE), aliado da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), ao pedir explicações do PSB sobre a Operação Turbulência. Conduzida pela Polícia Federal, a investigação descobriu esquema de lavagem de dinheiro envolvendo empresas pernambucanas, inclusive as que compraram o jatinho usado pelo ex-governador Eduardo Campos (PSB) na campanha à presidência, em 2014, quando morreu na queda do mesmo avião.
“Lamentavelmente, este partido está fugindo do debate, em um nítido desrespeito ao povo pernambucano e aos brasileiros”, afirmou o deputado. “Não acho razoável que os principais atores do PSB deem como resposta a falácia de que confiam na idoneidade do ex-governador Eduardo Campos que, lamentavelmente, não está mais aqui para se defender. É preciso que a Executiva do PSB, o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio respondam duas questões básicas: Por que o governador estava andando em um avião que foi pago por uma peixaria? Por que 14 pequenas empresas de Pernambuco movimentaram R$ 600 milhões?”, perguntou o parlamentar, que é pai do deputado estadual Sílvio Costa Filho (PRB), pré-candidato à Prefeitura do Recife contra o socialista Geraldo Julio.
Sílvio Costa ressaltou que há outras operações em curso em Pernambuco, como a Fair Play, para investigar superfaturamento na Arena Pernambuco. “O prefeito Geraldo Julio foi o presidente do Comitê Gestor da Parceria Público-Privada com a Odebrecht e o atual governador Paulo Câmara era o vice-presidente”, atacou o deputado.
Em tom de ironia e vingança, Sílvio Costa lembrou que, na campanha de 2014, Armando Monteiro Neto (PTB), então disputando o Governo de Pernambuco contra Paulo Câmara, convocou uma coletiva de imprensa para cobrar publicamente informações sobre a compra do avião. Porém, por não apresentar informações novas em relação ao que já havia sido divulgado, virou memes e piada na internet. O deputado ironizou o PSB usando uma frase que, segundo ele, foi usada por aliados dos socialistas após a entrevista de Armando Monteiro: “A montanha pariu muitos ratos”.
Chamando o PSB de “ingrato”, Sílvio Costa criticou os deputados do PSB de Pernambuco por terem votado a favor da admissibilidade do impeachment. “Os governos socialistas, em Pernambuco, receberam inigualável apoio dos governos Lula e Dilma. Todos os grandes investimentos que ocorreram em Pernambuco vieram graças a Lula e Dilma. Em troca, os socialistas pagaram com a ingratidão”, reclamou. “Os socialistas foram tão cruéis que, se o Senado eventualmente ratificar a decisão da Câmara, a presidente Dilma ficará inelegível por oito anos.”

Desembargador autoriza show de Safadão no São João de Caruaru

O desembargador José Viana Ulisses Filho autorizou em liminar, na noite desta quarta-feira (22), o show do cantor Wesley Safadão no São João de Caruaru, marcado para o próximo sábado (25) na cidade do Agreste pernambucano. O magistrado acatou o recurso da prefeitura do município para manter a apresentação do artista, após o juiz José Fernando de Souza suspendê-la.

O show, que custou R$ 575 mil, está envolto em polêmica por causa do seu custo, muito maior do que o que será pago em Campina Grande, na Paraíba: R$ 195 mil. Para autorizá-lo, porém, o desembargador argumentou que a apresentação no estado vizinho ainda não teve contrato assinado.
O desembargador também entendeu que não houve prejuízos para políticas públicas desenvolvidas na cidade, porque parte dos recursos vem de convênios com a iniciativa privada.
“Essa conclusão somente é possível por ter comprovado o agravante não haver, no caso, dispêndio de verba pública para o pagamento do cantor. Caso contrário, seria por óbvio priorizado o interesse público, com a manutenção da suspensão do show para se evitar o gasto de uma verba tão vultuosa em um município, como é Caruaru, no qual a saúde, a segurança pública e o saneamento básico encontram-se em níveis de precariedade extremamente preocupantes”, afirma o magistrado na peça.(Blog de jamildo)

STF transforma Cunha em réu pela segunda vez :11 X 0

Estadão Conteúdo – O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu transformar, pela segunda vez, o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em réu da Operação Lava Jato. Por unanimidade, os 11 ministros entenderam que há elementos suficientes para aceitar a denúncia proposta pela Procuradoria-Geral da República de que Cunha manteve contas secretas na Suíça abastecidas com dinheiro desviado de contratos da Petrobras.
Para o relator Teori Zavascki, há “indícios robustos” para abrir uma nova ação penal contra o peemedebista e apurar os crimes de lavagem de dinheiro, corrupção passiva, evasão fiscal e falsidade eleitoral.

Empresário foragido da Operação Turbulência é encontrado morto em motel de Olinda

Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem
O empresário Paulo Cesar de Barros Morato foi encontrado morto na noite desta quarta-feira (22) em um motel em Olinda, na Região Metropolitana do Recife. Morato é acusado de ser um dos líderes do esquema de lavagem de dinheiro supostamente para pagar campanhas do ex-governador Eduardo Campos (PSB) e estava foragido da Operação Turbulência, que prendeu nessa terça (21) outros quatro indicados como líderes da organização criminosa.
O corpo do empresário foi encontrado no motel no início desta noite. Há informações de que não havia armas ou vestígios de sangue no local. A delegada Gleide Ângelo, que investiga o caso, deixou o motel sem dar entrevistas. O delegado Jorge Ferreira e a perita do Instituto de Criminalística Vanja Coelho também saíram sem se pronunciar. O Corpo de Morato foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML), na área central do Recife.
Um funcionário do motel informou à Agência Brasil que o empresário entrou no local por volta de 11h40 dessa terça-feira (21), horas depois das primeiras prisões. A equipe do estabelecimento começou a suspeitar de que algo estava errado por causa da demora em sair, porque as ligações feitas para o quarto não eram atendidas e por um mau cheiro vindo de dentro do local. A Polícia Militar foi chamada e arrombou a porta, encontrado Morato sem vida na cama. O funcionário relatou ainda que ele vestia calça jeans e estava sem camisa e que não havia marcas de sangue visíveis. O carro dele, um Jeep Renegade, foi retirado do motel pela polícia esta noite.
A investigação do caso está inicialmente sob responsabilidade da Polícia Civil. Porém, se for constatada alguma relação entre a morte e a investigação da Operação Turbulência, a Polícia Federal pode entrar no caso.
Morato é o dono da Câmara e Vasconcelos Locação e Terraplanagem. Para a Polícia Federal, há indícios de que a empresa recebeu R$ 18,8 milhões da construtora OAS para a campanha do ex-governador Eduardo Campos (PSB) à presidência, em 2014. O socialista morreu após queda de jatinho durante a campanha eleitoral.
Foi a investigação sobre a compra da aeronave que motivou a operação e levou à descoberta de um esquema de lavagem de dinheiro em Pernambuco. Na apuração do caso a PF usou informações de 18 contas bancárias, além de dados obtidos pelo Supremo Tribunal Federal e da Justiça Federal no âmbito da Operação Lava Jato

Donos do avião: helicópteros, lanchas e carros de luxo

Folha de S.Paulo – Gabriel Mascarenhas e Marina Dias
Os donos do avião usado pelo ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, presos em operação da Polícia Federal nesta terça-feira (21), ostentavam bens como helicópteros, lanchas e carros de luxo.
Entre os itens rastreados pela PF estão duas lanchas, uma de nome "Sedução", que pertenciam a João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho. Ainda atribuído a ele estão quatro veículos, entre eles uma Land Rover e três jet skis.
Já Eduardo Leite, também classificado pelos investigadores como "cabeça da organização criminosa", tem em sua lista quatro carros, um jet ski, um jet boat, oito lanchas e dois helicópteros. Leite também batizou as lanchas com nomes no mínimo inusitados: Mimosa, Sedução III e Volúpia I.
Outros dois empresários presos nesta terça, Apolo Santana Vieira contabiliza uma BMW e uma lancha, enquanto na conta de e Arthur Roberto Lapa Rosal constam dois jet boats.
A lista de bens consta do despacho da juíza Amanda Torres de Lucena Diniz Araújo, da Justiça Federal em Pernambuco, ao qual a Folha teve acesso. Ela autorizou a Operação Turbulência, deflagrada pela PF nesta terça e que prendeu os quatro empresários.
De acordo com a investigação, funcionários da construtora Camargo Corrêa apontaram João Lyra como o interposto do pagamento de suborno pela empresa a Eduardo Campos, durante a campanha presidencial de 2014, e ao senador Fernando Bezerra (PSB), naquele mesmo ano.
A operação identificou um esquema de lavagem de dinheiro, com a utilização de mais de uma dezena de empresas, parte delas fantasma, que teriam abastecido os caixas dos dois candidatos do PSB.
O PSB, por meio do presidente do partido, Carlos Siqueira, assim como Bezerra, negam as acusações.

Temer e os governadores: Nordeste saiu insafisfeito

Os governadores do Nordeste não saíram satisfeitos com a renegociação da dívida. Nem tudo é festa. Eles querem a inclusão, no acordo, dos débitos com o ‘BNDES Estados’, que financia investimentos produtivos e em infraestrutura. O presidente interino, Michel Temer, recebeu o recado e disse que ia ouvir Meirelles. Para eles, o acordo beneficiou os que tinham maiores dívidas com a União.
Dois Brasis
Os estados com maiores dívidas com a União são São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Somam um débito de R$ 424,2 bilhões. Enquanto isso, os nove estados do Nordeste têm uma dívida de R$ 23,2 bilhões.Ilimar Franco - O Globo

A regra do jogo

Bernardo Mello Franco - Folha de S.Paulo
O escândalo do mensalão mostrou por que tantos políticos se estapeiam pelo controle de estatais. A disputa pelas empresas públicas é parte do jogo sujo das eleições. Os órgãos mais cobiçados são chamados de "fabriquinhas". Produzem milhões de incentivos para bancar partidos e campanhas.
Quem nomeia passa a influir em contratos e licitações. Também garante acesso privilegiado aos fornecedores, que pagam pedágios e retribuem favores com doações. Assim funciona a parceria ancestral entre políticos e empreiteiros, foco das investigações da Lava Jato.
A regra é tão conhecida que passou a ser vista como o padrão normal da política. "Alguém imaginava que os partidos disputavam diretorias de estatais para fazerem coisa boa?", ironizou nesta quarta (22) o ministro Luís Roberto Barroso, em julgamento no Supremo Tribunal Federal.
A corte discutia o caso do deputado Eduardo Cunha, que virou réu pela segunda vez sob a acusação de desviar dinheiro da Petrobras para as contas que ele diz não ter na Suíça.
"Isso faz parte da rotina brasileira há muito tempo. O propósito era este mesmo: desviar recursos", afirmou Barroso, ao comentar a guerra por cargos na estatal. "É triste. Dá uma sensação muito ruim de que o jogo é jogado de uma forma muito feia."
Apesar do diagnóstico sombrio, o ministro concluiu o voto com uma mensagem positiva. "Há uma coisa nova acontecendo no Brasil. Não é mais aceitável desviar dinheiro público, seja para o financiamento eleitoral ou para o próprio bolso", disse.
Ele lembrou que a sociedade já deixou de ser tolerante com outros males antigos, como o racismo e a violência contra a mulher. "Estamos vivendo o fim de uma era de aceitação do inaceitável", afirmou.
Gostaria de compartilhar do otimismo do ministro, mas as ofertas de Dilma Rousseff para barrar o impeachment e de Michel Temer para aprová-lo sugerem que a regra do jogo ainda não mudou.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Justiça suspende show de Safadão em Caruaru

Blog do Wagner Gil
O juiz José Fernando Santos Souza acaba de conceder liminar e determina a suspensão do show de Wesley Safadão, que estava marcado para este final de semana, em Caruaru. O magistrado determina multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento.
Na tarde de ontem, os advogados Dimitre Bezerra Almeida, Ewerton Bezerra e Marcelo Rodrigues ingressaram com uma Ação Popular denunciando os indícios de irregularidades na contratação dos artistas Wesley Safadão, Elba Ramalho e Aviões do Forró, para os festejos juninos de 2016, em Caruaru.
Na ação, os advogados se referem a notícias apresentadas pela imprensa em geral, conseguindo localizar ainda contratações do artista Wesley Safadão para o mesmo período junino, junto as prefeituras de Maracanaú (CE) R$ 100.000,00, Limoeiro (PE) R$ 450.000,00 e Campina Grande (PB) por R$ 195.000,00. Em Caruaru, o show custou R$ 575 mil aos cofres municipais. A prefeitura disse que vai recorrer.

Jungmann contratou canal pornô com verba pública

247-Ministro da Defesa, Raul Jungmann, pagou com dinheiro da Câmara dos Deputados um pacote de TV a cabo com direito a 11 canais de cinema, entre eles Telecine, HBO e o Sex Zone, de conteúdo exclusivamente adulto; Câmara pagou R$ 3.100 pelo serviço, que dava direito a dois pontos de TV na sede parlamentar de Raul Jungmann, que fica em um prédio no bairro Ilha do Leite, área nobre da cidade de Recife; Jungmann negou que tenha acessado o conteúdo erótico e disse que o pacote porque era o único que disponibilizava sistema de gravação da TV Câmara; a operadora, no entanto, explicou que existiam outros pacotes na época, inclusive com preços mais baratos

Para Janot: As contas são mesmo de Cunha

247O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reafirmou em sessão no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira 22 que está comprovado que as contas atribuídas a Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na Suíça são realmente do deputado.
Os ministros do Supremo julgam hoje uma segunda denúncia contra o deputado, em referência às contas secretas encontradas no exterior, por onde ele teria recebido dinheiro de propina do esquema investigado na Operação Lava Jato.
"Está documentalmente provado que as contas são de titularidade do acusado e que a origem dos recursos é absolutamente espúria", afirmou Janot. O chefe da PGR disse ainda que os valores encontrados em nome do peemedebista são incompatíveis com os rendimentos declarados por ele.

SESI/PE amplia rede de prestação de serviços no Estado

O Serviço Social da Indústria em Pernambuco (SESI/PE) amplia a rede de prestação de serviços no Estado com a inauguração de mais uma unidade. Chamada de Luiz Dias Lins, a unidade de Escada, vai reforçar o atendimento às indústrias da Zona da Mata nas áreas de Educação e Qualidade de Vida. O investimento de mais de R$ 6 milhões na reforma da unidade e sua entrega marcou o último ato oficial do presidente do Conselho Regional do SESI/PE, Jorge Côrte Real, à frente da instituição e simbolizou o esforço da sua gestão em prol da interiorização dos serviços do Sistema Indústria (FIEPE, SESI, SENAI, CIEPE e IEL) ao setor produtivo pernambucano.
 
"Com o SESI Escada coroamos um projeto de prover à coletividade, especialmente às indústrias, um suporte para o desenvolvimento socioeconômico por meio do atendimento às demandas dos empreendimentos já existentes e dos novos que estão se instalando no Estado", afirma Côrte Real durante a cerimônia de inauguração da unidade.
 
Localizado no centro do município, o SESI Escada traz para os trabalhadores da indústria, seus dependentes e a população em geral novas oportunidades em práticas esportivas, tais como hidroginástica e natação, graças ao parque aquático, totalmente reformulado, e futsal, com a criação do mini campo. Os alunos da unidade também passam a usufruir de uma estrutura mais confortável e moderna, com salas climatizadas, laboratórios de informática e ciências, biblioteca e a sala de robótica que estimula o espírito inovador e reforça a construção do conhecimento teórico adquirido em aula e aplicado nos projetos educativos. O bloco principal, os vestiários, a quadra e o salão de festas também foram requalificados. Toda a unidade está pronta para promover a inclusão de pessoas com deficiência, pois suas instalações estão alinhadas às normas de acessibilidade.
 
Dessa forma, os programas de Educação Básica (o Ensino Fundamental e Médio) e Continuada (cursos de capacitação presenciais e online) e de Qualidade de Vida (Ginástica Laboral, CorporAtivo, Circuito do Bem-estar, Alimentação Saudável, gestão de eventos) poderão ser reforçados e a população ganha novos espaços de lazer com a possibilidade de alugar espaços como o salão de festas, o parque aquático, o campo de futebol e o ginásio esportivo.
 
O prefeito de Escada, Lucrécio Gomes, prestigiou a solenidade de inauguração do SESI salientando que a unidade "sempre foi uma referência na cidade pela prestação de serviços fundamentais e será de vital importância neste momento em que o município retoma o crescimento impulsionado pela instalação de novas indústrias na Região". Também estiveram presentes no evento, o superintendente, Ernane Aguiar, a diretora de Operações, Eveline Remígio, o diretor Administrativo e Financeiro da instituição, Ricardo Rodrigues, além de gerentes do SESI e autoridades municipais.

UPAE Garanhuns realiza Processo Seletivo para formação de cadastro de reserva‏‏‏‏‏

Os interessados em participar de mais um Processo Seletivo que formará banco de reserva para a UPAE (Unidade Pernambucana de Atendimento Especializado) em Garanhuns, devem cadastrar seus currículos ou atualizar seus dados cadastrais até o dia 27/06, no site do IMIP, no campo Trabalhe Conosco, ou clicando no link abaixo:
(http://189.39.115.220/sistemas/imip/curriculos/menu_login/menu_login.php).

Vale ressaltar que após o cadastro do currículo ou atualização de dados, o candidato deverá entrar novamente no cadastro e clicar em “CLIQUE AQUI PARA VERIFICAR PROCESSO SELETIVO”. Esse procedimento é feito apenas pelo endereço eletrônico.

O processo seletivo inicia com Análise Curricular, que acontece de 28/06 a 01/07, e só receberá a convocação para a etapa presencial aqueles que forem "aprovados" nesta triagem. A convocação será feita no dia 04/07. É rápido porque será realizado pelo próprio sistema portal de currículos. As vagas são para os níveis superior, médio, técnico e elementar.

A convocação será feita, EXCLUSIVAMENTE, por e-mail, onde constarão as informações sobre data, documentos necessários e local de prova, por isto, é de suma importância que o candidato esteja com seus dados atualizados, principalmente o e-mail, pois o contato não será feito por telefone.

Os concorrentes de nível técnico e superior precisam estar com as carteiras dos seus respectivos Conselhos, em Pernambuco, atualizadas e válidas.

Agenda: 
Até 27/06 - Cadastro ou atualização de curriculos no site
De 28/06 a 01/07 - Análise Curricular
04/07 - Convocação pelo e-mail dos aprovados para etapa presencial

Cargos para Cadastro de Reserva

NÍVEL - CARGO - SUPERIOR

ASSISTENTE SOCIAL
ENFERMEIRO
FARMACÊUTICO
FISIOTERAPEUTA
FONOAUDIÓLOGO
PSICÓLOGO
NUTRICIONISTA
TERAPEUTA OCUPACIONAL

MÉDIO E TÉCNICO

ALMOXARIFE
ASSISTENTE ADMINISTRATIVO
AUXILIAR FARMÁCIA
AUXILIAR DE NUTRIÇÃO
AUX RECEPÇÃO E PORTARIA
FLEBOTOMISTA
TEC. INFORMATICA
TEC. DE RADIOLOGIA
TEC. DE ENFERMAGEM
TEC. SEGURANÇA DO TRABALHO

ELEMENTAR

AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS
COPEIRO
ELETRICISTA
ENCANADOR

MAQUEIRO

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Cunha ligará o ventilador no esgoto?

Texto de Altamiro Borges no Blog do Miro
Após oito meses de engodo, finalmente a Comissão de Ética da Câmara Federal aprovou nesta terça-feira (14) o pedido de cassação do mandato do correntista suíço Eduardo Cunha. Por 11 votos a nove, os deputados acataram o parecer do demo Marcos Rogério que afirma que o lobista quebrou o decoro parlamentar ao mentir sobre as suas contas no exterior. "Estamos diante do maior escândalo que este colegiado já julgou. Não se trata apenas de omissão, de mentira, mas de uma trama para mascarar a evasão de divisas, a fraude fiscal", justificou o deputado do DEM - a mesma legenda que sempre deu sustentação ao golpista na sua missão fraudulenta pelo impeachment da presidenta Dilma.
O processo contra Eduardo Cunha foi o mais longo da história da Comissão de Ética. A representação contra o famoso bandido foi entregue pelo PSOL e Rede em 13 de outubro do ano passado. Enquanto serviu aos interesses golpistas, ele teve o seu mandato preservado e ainda presidiu a Câmara Federal. Após o show de horrores da sessão de 17 de abril, que deu a largada à derrubada de Dilma, ele passou a ser descartado pelos seus comparsas. Até o deputado do Solidariedade, sigla de Paulinho da Força - um dos líderes da tropa de choque do achacador -, traiu Eduardo Cunha na votação desta terça-feira. Tia Eron, discípula da Igreja Universal do Reino de Deus, também abandonou o seu antigo herói!
Para piorar ainda mais a situação do descartado golpista, nesta mesma terça-feira a Justiça Federal do Paraná determinou o bloqueio de todos os seus bens e da sua esposa, Cláudia Cruz, ex-jornalista da TV Globo. Na mesma sentença, o juiz Augusto César Pansini, da 6ª Vara Federal de Curitiba, pediu a quebra do sigilo fiscal de Eduardo Cunha desde 2007. A decisão atendeu ao pedido da força-tarefa da Lava-Jato, que solicitou que o correntista suíço devolva R$ 20 milhões - montante referente a valores movimentados em contas não declaradas no exterior. Já a ex-apresentadora global deverá devolver o equivalente a R$ 4,4 milhões - parte gasta em hotéis e lojas de luxo na Europa e EUA.
E a agonia do bagaço golpista não parou por aí. Também nesta terça-feira, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu conceder o prazo de cinco dias para que a defesa do presidente afastado da Câmara dos Deputados se manifeste sobre o pedido de prisão apresentado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Circula o boato em Brasília de que Eduardo Cunha e sua esposa poderão ser levados para a cadeia na próxima semana, o que só aumenta o clima de tensão no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto.
Na semana passada, ao perceber que seria descartado após liderar o trabalho sujo do impeachment de Dilma, o vingativo mafioso deixou explícito que não morreria sozinho e que poderia delatar uns 150 deputados que sempre mantiveram relações carnais com ele. Nas contas da própria mídia, Eduardo Cunha ajudou a eleger - com recursos financeiros de fontes duvidosas - 120 parlamentares em 2014. Além disso, ele foi decisivo na montagem do governo golpista de Michel Temer, o decorativo. Vários ministros do "interino" até entraram em campo para tentar salvar o seu mandato, mas o lobista avalia que o empenho não foi o suficiente e estaria disposto a ligar o ventilador no esgoto.
Uma boa palavra de ordem para este momento de alegria com a aprovação do seu pedido de cassação é "Delata Cunha".

Aécio levou propina de R$ 1 milhão e comprou 50 deputados

247 – Em mais um trecho bombástico da delação premiada de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos principais defensores do impeachment, é acusado de ter recebido R$ 1 milhão ilegal em dinheiro em 1998 e comprado o apoio de 50 deputados para se eleger presidente da Câmara.
Segundo Machado, que na época era líder do PSDB no Senado, o dinheiro saiu de um fundo criado por ele junto com Aécio e o então presidente do PSDB, senador Teotonio Vilela, a fim de financiar a bancada do PSDB na Câmara e no Senado. O plano era "eleger a maior bancada federal possível na Câmara para que pudessem viabilizar a candidatura de Aécio Neves à presidência da Câmara no ano 2000".
Segundo Sérgio Machado, a divisão resultaria "entre 100 mil e 300 mil a cada candidato" (cerca de 50 deputados) e "a maior parcela dos cerca de R$ 7 milhões de reais arrecadados à época foi destinada ao então deputado Aécio Neves, que recebeu R$ 1 milhão de reais em dinheiro". O tucano "recebia esses valores através de um amigo de Brasília que o ajudava nessa logística", informou ainda o delator.
Dos R$ 7 milhões arrecadados, R$ 4 milhões vieram da campanha de Fernando Henrique Cardoso à presidência – que se reelegeu em 1998 – e o restante de empresas. Parte do dinheiro também veio do exterior, de acordo com Machado. O ex-presidente da Transpetro também disse na delação que parte do dinheiro da campanha que viabilizou a eleição de Aécio à presidência da Câmara veio de propina em Furnas.
Leia aqui o trecho da delação que cita Aécio Neves e a compra de 50 deputados, publicado no blog de Fausto Macedo.

PEC de Cintra sobre concursos vai ao plenário do Senado

Do blog de Magno Martins 
A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou, hoje, Proposta de Emenda Constitucional de autoria do ex-senador Douglas Cintra (PTB-PE) permitindo a elaboração de uma lei nacional com regras gerais para todos os concursos públicos, tanto da União como dos governos estaduais e prefeituras. A PEC 75/2015 segue agora à votação do plenário do Senado, em dois turnos.
Nas justificativas da PEC 75/2015, ressalta Cintra, que exerceu o mandato de Armando Monteiro quando ele era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, “serão eliminadas várias falhas nos concursos públicos”. Alinha, entre elas, fraudes frequentes, editais sem a divulgação devida, taxas de inscrição exorbitantes, prazo exíguo para recursos, mudanças repentinas e sem antecedência razoável nas datas e horários das provas, conteúdos de provas não previstos no edital.
Gestão eficiente – Relator da PEC na CCJ, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) destacou, na sessão de hoje, ser inadmissível a continuidade de fraudes e ineficiências no instituto do concurso público, “um dos mecanismos mais democráticos e republicanos de acesso aos cargos e empregos públicos no país”.
Um dos objetivos da PEC, segundo Cintra, é instrumentalizar principalmente as prefeituras, que normalmente não têm legislação específica sobre concursos. “Muitos municípios e mesmo alguns estados não conseguem recrutar quadros técnicos gerenciais à altura das necessidades de uma gestão eficiente pela ausência de normas claras para a realização de concursos públicos”, assinala.
O ex-senador pernambucano enfatiza ainda, nas justificativas da PEC, que a lei nacional não irá ferir a autonomia de estados e municípios, pois definirá apenas normas genéricas. “A preocupação da PEC é tão-somente fornecer uma moldura geral a estados e municípios, que poderão enriquecê-la e adaptá-la às particularidades regionais e locais”, pontua.
A PEC 75/2015 altera os artigos 24 e 37 da Constituição, dando competência à União para legislar sobre concursos públicos nos estados e municípios e ao Senado e à Câmara dos Deputados para elaborar uma lei geral sobre o assunto.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

PF: Agripino suspeito por lavagem de R$ 15,9 milhões

Polícia Federal apura se senador recebeu propina em troca de ajuda à OAS.
Renan Ramalho - Do G1, em Brasília
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), órgão de fiscalização ligado ao Ministério da Fazenda, indicou "operações suspeitas de lavagem de dinheiro" envolvendo o presidente do DEM, o senador Agripino Maia (RN), no valor de R$ 15.908.096,00.
O dado integra investigação sobre o senador que apura suposto recebimento de propina da construtora OAS em troca de ajuda para liberar empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
O senador nega recebimento de propina e favorecimento à empresa. "Sou acusado de facilitar pagamentos feitos a OAS pelo BNDES. Que força teria eu no BNDES sendo líder de oposição há treze anos?", disse, por meio de nota.
As "operações suspeitas", diz o relatório de inteligência do Coaf, teriam sido realizadas entre o senador, empresas de familiares e assessores, de dezembro de 2011 a novembro de 2014, "exatamente em épocas de campanhas eleitorais".
Para a Polícia Federal, trata-se de um indício de que pedidos de doações eleitorais feitos por Agripino à OAS "foram prontamente atendidos, e podem ter-se constituído em forma dissimulada de repasse de propina".
Obras no Arena das Dunas
A suposta vantagem da OAS ao senador teria sido paga, segundo as investigações, em troca da atuação do senador junto a órgãos de fiscalização com o objetivo de destravar financiamento do BNDES para a OAS realizar obras na Arena das Dunas, estádio construído em Natal para sediar as obras da Copa do Mundo de 2014.

Em discurso no último dia 26 de abril no Senado, Agripino admitiu ter se reunido com conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) para esclarecer supostas irregularidades na obra. Disse, no entanto, que o órgão de fiscalização não aceitou as explicações. O aval do tribunal era necessário para destravar o empréstimo do BNDES.
Mas, segundo o senador, foi o Tribunal de Contas da União (TCU), que deu parecer favorável. Agripino diz não ter atuado junto ao órgão no caso. Em relação às movimentações financeiras, Agripino sustenta que são relacionadas a negócios de sua família. Em nota, diz desejar celeridade na apuração dos fatos e diz que seus extratos bancários e declarações de Imposto de Renda "esclarecerão definitivamente a movimentação financeira questionada".

Inquérito
O inquérito foi aberto no ano passado a partir da descoberta de trocas de mensagens de celular entre Agripino e Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, numa investigação da Operação Lava Jato. Como o caso de Agripino não está relacionado a desvios na Petrobras, ficou de fora da Lava Jato e tem como relator o ministro Luís Roberto Barroso.
Já foram autorizadas quebras de sigilo de Agripino, vários de seus parentes e de empresas ligadas à família. O próprio senador e um de seus filhos, o deputado federal Felipe Maia (DEM-RN), deverão depor no caso.

E eis que agora a mídia atribui a crise brasileira a problemas internacionais.

Do blog DCM- E subitamente, para a grande mídia, os problemas da economia se originam lá fora.
Caiu a bolsa? Aconteceu alguma coisa no exterior. O dólar subiu? Também.
Não acredito que seja uma instrução organizada dos chefes de redação. Acho que se trata de reflexo automático. Os editores sabem o que seus patrões querem que eles façam e o que não façam.
No governo Dilma, era como se o mundo vivesse dias de gloriosa prosperidade e apenas o Brasil soluçasse. A responsabilidade de todos os problemas era de Dilma.
Com Temer é o oposto.
É assim que a mídia forma imbecis.
O ator José de Abreu chamou a atenção para isso no Twitter. Numa postagem em que o UOL atribuía a queda da Bolsa a fatores externos, ele comentou: “É o Temer, é o Temer.”
Outra estratégia clássica para minar um governo é a seguinte. Você vai buscar histórias dramáticas e esquece os casos felizes. Você caça o fracasso e ignora o sucesso.
Foi também o que a imprensa fez com, ou contra, Dilma. Eu mesmo experimentei isso. Estava numa padaria quando um repórter da Band se aproximou de mim.
Ele procurava pessoas que se queixassem do impacto da alta do dólar em suas compras de comida. Não dei a resposta esperada. “Mas e o preço do pãozinho, mas e o preço do pãozinho?”, ele insistiu.
“Não mudou minha vida em nada”, respondi. O repórter enfim se rendeu e foi buscar chorões em outra parte da padaria. De preferência, chorões que citassem nominalmente Dilma.
Agora o esquema é outro. A imprensa está dando relatos de vitoriosos. As pessoas que se queixam já não valem nada, porque elas não ajudam na narrativa da virada miraculosa de Temer.
Esta artimanha foi sintetizada espetacularmente por Temer em suas primeiras horas de usurpação. “Não fale em crise, trabalhe.”
A imprensa bem que tentou ajudá-lo. Passou a falar subitamente de pacificação, depois de promover a guerra freneticamente em cada dia de Dilma. Num espasmo de governismo patronal, Míriam Leitão disse que finalmente havia boas notícias na economia.
Quais?
Bem, aí é outra história.
Não há nada que a mídia possa fazer para levantar Temer. É como ressuscitar um cadáver. É como tentar transformar um perna de pau num craque.
Temer é um caso inédito de presidente que em menos de um mês é apoiado por apenas 11% dos brasileiros. Os cem primeiros dias são de lua de mel entre a sociedade e um novo presidente, mas Temer destroçou esta tradição ancestral e válida em todo o planeta.
O caso Temer mostra os limites da influência da mídia na era da internet. Os que acreditam no Jornal Nacional e na Veja são em número infinitamente menor hoje do que foram no passado.
Sabe aquela do Churchill para desmoralizar um rival? Pois é. Um táxi chegou vazio a seu destino, e dele desceu um leitor da Veja que não perde um Jornal Nacional.
Não adianta a imprensa mudar o foco de sua cobertura para elevar Temer. Ela não o eleva, porque é uma tarefa impossível, e além de tudo se rebaixa — se é que dá para se rebaixar mais ainda.

O Globo quer a revogação da CLT

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Dois posts atrás, citei os dados da matéria de Max Leone, em O Dia, com uma tenebrosa avant-première da reforma previdenciária urdida pelo Governo Temer.

Há outra, porém, aguardando apenas a confirmação do usurpador no cargo de Presidente que ele jamais atingiria pelo voto.

É a trabalhista, que hoje é “exigida” por O Globo em, como disse um amigo, um pornográfico editorial.

A reforma trabalhista.

Que tem um ponto essencial: a prevalência do acordado sobre o legislado.

Como define o jornal, a “flexibilidade” para que” o estabelecido em negociação entre o empregador e o empregado, com a participação de sindicatos, ser aceito pela Justiça do Trabalho, mesmo que contrarie a legislação”.

Quer fazer acordo para não ter adicional noturno? Pode.

Hora-extra? Horário de almoço? Folga no domingo? Também pode.

Os sindicatos, “fortíssimos”, é que vão decidir, num acordo com os patrões. Depois “homologam” numa daquelas assembléias-fantasma e tudo certo. Nada de recurso à Justiça do Trabalho.

Sem contar a hipótese de que dirigentes sindicais muito “espertos” sejam “amaciados” para abrir mão dos diretos desta ou daquela categoria com argumentos sonantes.

Se o sindicato dos escravos e a associação dos cafeicultores chegarem a acordo, revoga-se a Lei Áurea.

Acham exagero? Reproduzo um trecho do discurso do Ministro do Trabalho de Getúlio Vargas, dias antes da promulgação da CLT:

“Em matéria de direito social, quem percorre os anais da Câmara [dos Deputados], quem os abre, por exemplo, em 1926, quando estávamos no apogeu da nova velha liberal democracia, encontra declarações verdadeiramente cruéis para o proletariado, proferidas por nomes ilustres. Dali extraio algumas que repetirei, textualmente: ‘Limitar as horas de trabalho é cercear a liberdade de contratar serviços’. Outra: ‘A criança pode trabalhar dez ou 12 horas por dia sem se fatigar’. Mais uma: ‘O salário da mulher não será nunca um salário normal’.”

O mais curioso nisso tudo é a argumentação de que a CLT é muito antiga, de 1943, do tempo em que “não havia computador, telefone celular, terceirização, linhas globais de produção etc.”.

Portanto, de um tempo em que a produtividade do trabalho era menor e, assim, menor a renda do que ele produzia e menor também o volume que poderia ser devolvido ao trabalhador em salários e direitos.

É o enlouquecido argumento de que, como estamos muito à frente dos anos 40, devemos fazer a lei retroceder aos anos 30!

Para os sindicatos que têm força para ir além das garantias da lei, nenhum problema, em tempos de bonança e é verdade que, nos tempos em que estive no Ministério do Trabalho, alguns sindicatos de elite viam isso com bons olhos. No setor automotivo, então, eram vários os que cresciam os olhos na possibilidade de aumentar seu poder de barganha, ainda que não assumissem que fosse à custa dos fracos.

Mas agora, com a vacas magrinhas, todos já perceberam a burrada egoísta que faziam.

O ódio histórico de nossas elites empresariais a Getúlio Vargas – só se equipara, em matéria de falta de visão histórica, à estupidez de não perceberem que a CLT foi a primeira rede de proteção social que este país já conheceu.

E que as redes de proteção social geram mercado, consumo, destino para o que produzem e para relações de “ganha-ganha”que empurraram este país para a frente.

A elite brasileira não quer um país de 200 milhões de habitantes, basta-lhe que haja um de 40 ou 50 milhões no mundo da renda e do consumo.

O resto que vá para a senzala. Naturalmente depois de dar duro no eito.

Investida da Lava Jato contra peemedebês é só pra inglês ver

Do blog da cidadania
vaza jato

Até aqui, a operação Lava Jato não passou de instrumento da corrupção. Sim, é isso mesmo. Os áudios de expoentes do PMDB que vêm sendo vazados desde que Dilma foi derrubada pela bandidagem que infecta o Congresso mostram que essa operação apenas ajudou a afastar a grande fiadora da investigação: Dilma Rousseff.
A Lava Jato jogou o país em uma crise econômica sem precedentes. Sem ela, o setor da economia que mais influi no desempenho do PIB – a construção pesada, tocada pelas empreiteiras envolvidas na investigação – não teria sido paralisado e, assim, não teria roubado naco tão grande do crescimento.
Mas não é só com a desidratação do PIB que a Lava Jato contribuiu com a corrupção. Ao focar exclusivamente no PT enquanto Dilma estava no poder, deu discurso aos bandidos que queriam afastá-la para justificar sua queda junto à população.
O áudio do ex-ministro do Planejamento Romero Jucá não deixa dúvida de que a Câmara dos Deputados votou pela abertura do processo de impeachment porque Dilma se recusou a interferir na Lava Jato, o que poderia ter feito mudando o procurador-geral da República e o chefe da Polícia Federal, escolhendo títeres que paralisariam as investigações.
Não é à toa que o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, entregou que o governo Temer planeja tomar essas medidas. Fernando Henrique Cardoso, quando governou, mostrou que colocando correligionários na Polícia Federal e na Procuradoria Geral da República é possível impedir que governos sejam fiscalizados e processados.
Após a queda de Dilma, porém, as coisas começaram a tomar outro rumo.
Após expoentes da Lava Jato dizerem que a investigação iria parar – obviamente que por terem alcançado seu objetivo –, a reação foi estrondosa. Não tardou para que Sergio Moro e os cabeças da operação no MPF e na PF percebessem que, se assassem essa pizza, correriam risco de ter que pagar pelo crime de montar uma operação desse porte só para derrubar um governo.
Além disso, como o afastamento de Dilma não é definitivo e como a prisão de petistas já não tem o mesmo “charme”, se a operação continuasse parada – como estava desde que a derrubada da presidente se mostrou irreversível – haveria o risco de ela voltar, já que as patuscadas de Temer estão afundando os golpistas.
O chilique de Gilmar Mendes ante o pedido do procurador-geral da República para que José Sarney, Renan Calheiros, Romero Jucá e Eduardo Cunha sejam presos mostra que Rodrigo Janot está jogando para a galera. Ele sabe muito bem que o pedido não vai ser atendido por um STF acovardado que está assistindo de camarote a Constituição ser pisoteada.
Aliás, Gilmar criticou o vazamento do pedido de Janot ao STF para prender pemedebês. Há dois anos e tanto o MPF e a PF vazam contra petistas toda semana e Gilmar nunca abriu a boca. Sim, vazamentos são ilegais e imorais. Condenam sem provas. Mas Moro até já avisou que esses vazamentos são estratégia da Lava Jato para julgar acusados pela mídia. Nem Gilmar nem ninguém do STF abriu a boca.
As intenções das personagens pemedebês supracitadas de interferirem nas investigações são claras como dia de verão e cristalinas como água da montanha. Por muito menos petistas foram presos e a chave da cela foi jogada fora. Ou alguém tem alguma gravação de João Vaccari ou José Dirceu combinando estratégias para impedir as investigações como os peemedebês em tela têm contra si?
Janot sabe que não vai ter autorização para prender gente com licença para roubar. A Lava Jato só prende graúdos inocentes e bagrinhos culpados, estes para dar um ar de seriedade à investigação. Os bandidões mesmo estão todos soltos via delação premiada. Delcídio, Paulo Roberto Costa e outros malandros que o digam.
Assim, escreva aí, leitor: se o Senado confirmar o impeachment de Dilma, a Lava Jato para logo em seguida e nunca mais você ouvirá falar em combate à corrupção no Brasil. A mídia golpista só fará denúncias contra petistas triturados. E venderá a teoria de que, agora, só tem político “honesto” no Brasil.
Se a Lava Jato continuasse até que TODOS os corruptos fossem pegos, seria unanimidade. Este Blog apoiaria incondicionalmente. Dificilmente um cidadão honesto, de esquerda, de direita, de centro, do que for seria contra. Mas é uma farsa. E esse pedido de prisão de peemedebês é só jogo de cena. Só até Dilma ser afastada de vez.

Lula: procuradores coagem empresários a me delatarem


:

247-O ex-presidente Lula afirmou, em entrevista à TV Al Jazeera, que os procuradores da Operação Lava Jato não devem ter conhecimento do funcionamento da Petrobras para afirmarem categoricamente que ele, enquanto comandou o país, sabia do esquema de corrupção na estatal; "Eles estão coagindo os empresários a comprometer o Lula, dizer que o Lula participou. Até agora, não estou sendo processado, não fui indiciado. Quero saber qual é o momento que eles vão tentar me criminalizar. Tenho tranquilidade, duvido que algum procurador, que algum delegado da polícia, seja mais honesto que eu, mais ético que eu, nesse país", afirmou; para Lula, as delações estão sendo "banalizadas". "Você prende um cidadão, fica ameaçando o cidadão, ameaçando prender a mulher, o filho, se a pessoa não delatar. Dessa forma, as pessoas irão delatar até a mãe. As pessoas vão delatar o que não viram. Mas estou tranquilo, pode continuar prendendo mais gente, fazendo mais delação", disse

MP pede que Eduardo Cunha devolva R$ 20 milhões e fique sem direitos políticos por 10 anos

Foto: Adriano Machado/Reuters
MSN- O presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), comparece ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), para fazer sua defesa.
O Ministério Público Federal apresentou nesta segunda-feira à Justiça Federal do Paraná ação de improbidade contra o presidente afastado da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) com pedido para que o parlamentar fique o período de 10 anos sem direitos políticos e sem a possibilidade de ocupar cargos eletivos. Na ação, a força-tarefa da Operação Lava Jato ainda quer que o peemedebista seja condenado a devolver 5,76 milhões de dólares, ou cerca de 20 milhões de reais na cotação de hoje, por evidências de enriquecimento ilícito. Mesmo com foro privilegiado, Eduardo Cunha responde a processos de improbidade na 1ª instância.
A ação de improbidade foi apresentada também contra o ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada, contra o lobista do PMDB João Augusto Henriques, contra o empresário português Idalécio Oliveira e contra a jornalista e esposa de Cunha, Cláudia Cruz. No processo, os procuradores pedem que, condenados, os réus paguem 10 milhões de dólares (ou 35 milhões de reais na conversão apresentada pelo MP) como reparação de danos à Petrobras, tenham os direitos políticos suspensos por dez anos e sejam proibidos de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais também por dez anos. No caso de Cláudia Cruz, os pedidos de sanção incluem a perda do equivalente a 4,46 milhões de reais por enriquecimento ilícito.
Ao apresentar o pedido à justiça, o Ministério Público afirmou que o empresário Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira pagou propina ao deputado Eduardo Cunha para ser beneficiado em um contrato de aquisição dos direitos de participação na exploração de um campo de petróleo no Benin. Ao todo, teriam sido pagos a Cunha 1,311 milhão de francos suíços, o equivalente a 1,5 milhão de dólares. Na transação, o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Zelada teria atuado como intermediário no acerto dos valores.
Os negócios entre a Petrobras e o governo do Benin foram alvo de auditoria, que acabou por identificar que a empresa africana tinha capacidade financeira ignorada na época da transação e que os custos da exploração dos poços de petróleo no país foram supervalorizados. O Ministério Público conseguiu mapear o caminho do dinheiro movimentado na transação e a participação do lobista ligado ao PMDB João Augusto Henriques, apontado como destinatário de pelo menos 10 milhões de dólares em propina na transação. "Além de ter-se mostrado acentuadamente danosa ao patrimônio da estatal, [a transação no Benin] foi entabulada com o intuito principal de distribuir vantagens indevidas aos agentes públicos Jorge Zelada e Eduardo Cunha, destacados participantes do esquema criminoso que se instalou na estatal, para o qual concorreram e se beneficiaram João Henriques e Idalécio Oliveira, além de também ter-se beneficiado Cláudia Cruz", dizem os procuradores. Nas investigações, foram encontrados registros de que a offshore Acona Internacional repassou 1,311 milhão de francos suíços para a conta Orion SP, que pertence a Eduardo Cunha. A partir da Orion, novos repasses foram feitos para contas ligadas ao deputado e a Cláudia Cruz.
Segundo os investigadores, há "veementes indícios de enriquecimento ilícito do Deputado Federal Eduardo Cunha, em desproporção aos seus rendimentos lícitos obtidos como parlamentar, evidenciado pela movimentação de valores expressivos nas contas Orion SP, Triumph SP e Netherton mantidas no exterior, por ele controladas, além de ter-se beneficiado dos valores mantidos na conta Kopek, de titularidade de sua companheira Cláudia Cruz e que era alimentada por aquelas primeiras contas". No processo, o MP detalha a influência do congressista na nomeação de Zelada para a Petrobras e afirma que "não há dúvidas de que o parlamentar Eduardo Cunha estava envolvido no esquema de corrupção instalado na Diretoria Internacional da Petrobras".