sexta-feira, 31 de outubro de 2014

PML: depois do golpe, vai ficar por isso mesmo?

247 – Uma semana depois da publicação da capa criminosa de Veja, que traz uma declaração atribuída ao doleiro Alberto Youssef – "Eles sabiam de tudo" – em referência ao ex-presidente Lula e à presidente Dilma Rousseff, o jornalista Paulo Moreira Leite cobra, em seu blog no 247, "investigação oficial" do que chama de "indícios criminais de uma ação contra a ordem democrática".
"Está na hora de aquelas autoridades que falam em nome do Estado brasileiro cumprirem o dever legal de garantir os direitos dos cidadãos de escolher os governantes através de eleições livres e limpas, sem golpes sujos", diz ele, lembrando que estamos diante de um caso em que a Polícia Federal e o Ministério Público "têm todos os meios de apurar e chegar aos responsáveis sem muita dificuldade".
PML ressalta que a declaração de Youssef, que, conforme divulgado posteriormente, sequer fora feita no próprio depoimento à Polícia Federal, mas numa segunda conversa, 48 horas depois, "pode ter sido obtida artificialmente, sem caráter oficial". Ele traz à tona ainda a antecipação da edição pela Editora Abril para a quinta-feira à noite, na internet, e sexta, nas bancas, e constata que a publicação a dois dias do pleito "trouxe prejuízos inegáveis" à candidatura de Dilma, que saiu da disputa com um desfalque de milhões de votos potenciais e poderia até ter perdido a presidência, caso houvesse mais tempo para explorar o tema.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Fiat vai gerar em Pernambuco 47,5 mil empregos, diz Humberto Costa


Humberto Costa - foto Agencia Brasil
O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse ontem que decisão do ex-presidente Lula de direcionar a fábrica da Fiat para Pernambuco teve um impacto positivo relevante na economia do Estado, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico.
De acordo com os dados da Secretaria, o Polo Automotivo que está sendo implantado na cidade de Goiana deverá gerar 47,5 mil empregos diretos e indiretos nas fases de implantação e operação, com fortes reflexos no Produto Interno Bruto (PIB) do Estado.
Neste ano, a fábrica irá incrementar o PIB em 0,8 ponto percentual, sendo que em 2019 e 2020, quando a fábrica estiver em plena operação, o impacto esperado sobre o PIB do Estado é de 6,5 pontos percentuais.
“Quando o ex-presidente Lula e a presidente Dilma vieram para Goiana e visitaram a fábrica da Fiat, não foi apenas uma visita eleitoral. Foi uma reafirmação do compromisso com o desenvolvimento regional. E os dados apresentados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico são a prova de que esta política de apoio ao Nordeste e de parceria com os governos está certa e tem que continuar. Não foi por acaso que a população de Pernambuco deu a Dilma 70% dos votos do Estado”, disse o senador pernambucano.

Perito confirma: Sarney votou mesmo em Aécio

247 - Embora o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) tenha negado, em nota oficial, que votou no tucano Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições presidenciais, o perito Ricardo Molina, a pedido do portal iG, confirmou que as imagens que mostram a votação não sofreram trucagens e são autênticas. Ou seja, mesmo aliado da presidente Dilma Rousseff (PT) e com um bottom dela no peito, Sarney votou no candidato da oposição.
Molina dividiu a análise em três fases. Na primeira, comparando o vídeo de corpo inteiro com um recorte mais fechado na urna eletrônica, ele observa que "trata-se da mesma filmagem, ou seja, a ampliação, na qual não há dúvidas de que o voto é 45, foi processada a partir do mesmo vídeo. A seguir, o perito mostra, a partir do vídeo original, uma sequência de frames que mostram o voto de Sarney no 45. "Não é possível discernir os números, mas é possível verificar que o dedo está na altura do 45 e que a gravação é a mesma da ampliação", atesta o perito.

Pizzolato: anomalias na AP 470 impediram extradição

247 – Além das péssimas condições dos presídios brasileiros, o que colocaria em risco a saúde de Henrique Pizzolato, a Justiça italiana alegou outras duas razões para não extraditar ex-diretor do Banco do Brasil, condenado na Ação Penal 470, a pedido do governo brasileiro para que cumprisse sua pena por aqui. As duas estão relacionadas às anomalias do julgamento do STF, segundo Tereza Cruvinel, colunista do 247.
"Os magistrados italianos apontaram também o fato de não ter sido observado, no julgamento de Pizzolato pelo STF (bem como para os demais réus) o direito universal ao duplo grau de jurisdição e a ocorrência de omissão de provas apresentadas pela defesa", escreve a jornalista, em seu blog no 247.
Pizzolato levou consigo quando fugiu do Brasil para a Itália, conforme informa Tereza, "um grande volume de documentos de defesa". Os documentos, segundo ela, "teriam sido mais determinantes que as condições dos presídios brasileiros para que ele obtivesse a recusa da extradição e a liberdade de que agora desfrutará na Itália, onde tem a segunda cidadania".
O julgamento do chamado 'mensalão', sob relatoria do então ministro do Supremo Joaquim Barbosa, não deu aos réus que não tinham foro privilegiado o direito ao duplo grau de jurisdição. Ou seja, os réus foram condenados já na instância máxima, sem poder recorrer. No caso de Pizzolato, provas apresentadas pela defesa não foram incluídas na AP 470.

PF prende quadrilha que fraudou R$ 12 mi do INSS

Agência Brasil - Treze pessoas foram presas hoje (30) pela Polícia Federal (PF) em Pernambuco suspeitas de participação em uma organização criminosa que pode ter causado um prejuízo superior a R$ 12 milhões à Previdência Social. A quadrilha falsificava documentos para a recuperação de ativos tais como, veículos, bens imóveis, valores e motos aquáticas, provocando rombo mensal em torno de R$ 200 mil.
De acordo com a PF, foram cumpridos na Operação Omni, 51 mandados judiciais, sendo seis de prisão preventiva, sete de prisão temporária e 38 de busca e apreensão nos municípios pernambucanos de Garanhuns, Canhotinho, do Recife, de Tamandaré, Caruaru, Bezerros e de São Caetano, além de Maceió (AL) e praia da Pipa, em Tibau do Sul (RN).
Também são alvos da operação, segundo a PF, duas contadoras, um advogado, três servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dois funcionários da prefeitura de Garanhuns (PE) que estão cedidos para uma agência do INSS no município de Canhotinho. Também é investigada a participação de laranjas no esquema.
As investigações, que tiveram o apoio do Ministério da Previdência Social e do Ministério Público Federal, identificaram que a quadrilha era comandada por um empresário de Caruaru (PE). Ainda foi identificado um esquema de lavagem de dinheiro por meio de uma rede de postos de combustíveis que estavam sob intervenção judicial.
Em latim, o termo Omni significa onipresente que, segundo a PF, faz referência aos beneficiários que estariam vivos e mortos ao mesm

Advogado de Youssef confirma armação de Veja

247 - A situação da revista Veja e da Editora Abril, que atingiu o fundo do poço da credibilidade no último fim de semana, com a capa criminosa contra a presidente Dilma Rousseff, acusada sem provas pela publicação, pode se tornar ainda mais grave.
Reportagem do jornal Valor Econômico, publicada nesta quinta-feira, revela algo escandaloso: o "depoimento" do doleiro Alberto Youssef que ancora a chamada "Eles sabiam de tudo", sobre Lula e Dilma, simplesmente não existiu.
Foi uma invenção de Veja, que atentou contra a democracia, tirou cerca de 3 milhões de votos da presidente Dilma Rousseff e, por pouco, não mudou o resultado da disputa presidencial, ferindo a soberania popular do eleitor brasileiro.
Quem afirma que o depoimento não existiu é ninguém menos que o advogado Antônio Figureido Basto, que representa o doleiro. "Nesse dia não houve depoimento no âmbito da delação. Isso é mentira. Desafio qualquer um a provar que houve oitiva da delação premiada na quarta-feira", disse ele.
Basto também nega uma versão pró-Veja que começou a circular após as eleições – a de que Youssef teria feito um depoimento e depois retificado. "Não houve retificação alguma. Ou a fonte da matéria mentiu ou isso é má-fé mesmo", acusa o defensor de Youssef.
Com isso, a situação de Veja torna-se delicadíssima. No fim de semana, a publicação passou por uma das maiores humilhações de sua história, ao ser obrigada a publicar um direito de resposta contra um candidato – no caso, a presidente Dilma Rousseff – em pleno dia de votação.
Agora, a revista pode ser condenada a circular neste próximo fim de semana com uma capa e páginas internas, também com direito de resposta. A decisão está nas mãos do ministro Teori Zavascki, que pode decidir monocraticamente – ou levar a questão ao plenário do Supremo Tribunal Federal. Mas mesmo no plenário Veja tende a perder. Afinal, como os ministros justificariam o direito de informar uma mentira, com claras finalidades eleitorais e antidemocráticas?
Veja cometeu um atentado contra a democracia brasileira, que envergonha o jornalismo, e este crime é apontado pelo próprio advogado do doleiro Youssef. Os responsáveis diretos são: Giancarlo Civita, controlador da Abril, Fábio Barbosa, presidente da empresa, e Eurípedes Alcântara, diretor de Redação de Veja.

Federal prende fraudadores da Previdência no Agreste



Do JC online
A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (30) a operação OMNI para desarticular um grupo suspeito de fraudar benefícios previdenciários. Organização inseria dados falsos no sistema da Previdência Social gerando um prejuízo mensal aos cofres públicos de aproximadamente R$ 186 mil, totalizando, até o momento, R$ 12 milhões.
Estão sendo cumpridos 51 mandados judiciais, sendo seis de prisão preventiva, sete de prisão temporária e 38 de busca e apreensão, a maioria em cidades do Agreste. Toda a ação está sendo coordenada pela Polícia Federal de Caruaru, para onde os presos estão sendo levados. A operação foi titulada de OMNI, porque a palavra significa, em latim, onipresente e faz menção as pessoas que figuram como titulares simultâneo de benefícios.

Celular e tablets liberados durante o voo

 A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai permitir que as empresas aéreas liberem o uso, pelos passageiros, de equipamentos eletrônicos portáteis à bordo em todas as fases do voo. Hoje, os equipamentos devem ser desligados durante a decolagem e o pouso dos aviões. A resolução foi publicada nesta quinta-feira (30) no Diário Oficial.

A medida vale para celulares, tablets, câmeras fotográficas, entre outros – que devem, no entanto, permanecer em "modo avião", ou seja, com o modo de transmissão desligado (impedido de realizar ligações e acessar a internet).

A resolução também permite que os celulares possam ser usados em modo ativado após o pouso, enquanto o avião faz o taxiamento até o portão de desembarque. Pelas regras atuais, esses equipamentos devem permanecer desligados até o desembarque do passageiro.

A permissão não é imediata para todos os voos, no entanto. As empresas aéreas precisam obter autorização da Anac para liberar o uso dos equipamentos e, para isso, precisam assegurar que o uso dos mesmos em todas as fases do voo não causa interferências nos sistemas de comunicação e navegação de suas aeronaves.

Em nota, a Gol diz que já pediu autorização para ampliar o uso de equipamentos eletrônicos pelos passageiros durante o voo. Segundo a empresa, os dispositivos não apresentam risco ao sistema de comunicação e de navegação de suas aeronaves, desde que utilizados de forma adequada.

"A proposta defende que aparelhos que permitem desabilitar suas funções de transmissão, como telefones celulares, laptops e tablets, tornam-se livres de interferência. Com operações igualmente seguras, podem ser utilizados no modo avião, com o Bluetooth e Wi-fi desabilitados durante todo o voo", diz a companhia em nota(Do blog de magno martins)

Petrobras informa nome de empresas que farão auditoria



A Petrobras enviou na manhã de hoje, um comunicado ao mercado confirmando os nomes das consultorias que contratou para ajudar na apuração de acusações feitas pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa. As empresas independentes especializadas em investigação são a banca Trench, Rossi e Watanabe Advogados e a americana Gibson, Dunn & Crutcher.
Em nota, a Petrobras explica que as empresas vão ajudar na apuração da extensão e impacto das ações que porventura tenham sido cometidas no contexto das alegações feitas pelo ex-diretor de Abastecimento, "bem como apurar fatos e circunstâncias correlatos que tenham impacto material sobre os negócios da companhia".
Na terça-feira, o escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe havia informado ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que era uma das duas empresas independentes contratadas pela Petrobras. Em nota, o escritório diz que assinou contrato de prestação de serviços de consultoria jurídica para "apurar a licitude das condutas ou ocorrências relacionadas a Operação Lava Jato".
Um dia antes, a petroleira havia informado sobre a contratação de duas empresas para investigar internamente as denúncias de corrupção feitas pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa e pelo doleiro Alberto Youssef, sem revelar seus nomes.

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Como a Veja surrupiou oito pontos da Dilma em SP

O jornal nacional conferiu veracidade ao que o eleitor tinha visto nas redes sociais.



A situação da Dilma não era boa na cidade de São Paulo.

Mas, como observa o prefeito Haddad, o resultado não precisava ser tão ruim: poderia ser parecido com o de 2010.

E, como diziam a Vox e o DataCaf, ela, nacionalmente, poderia ter uma vantagem de um a três pontos percentuais a mais.

O que aconteceu ?

O que aconteceu na cidade de São Paulo reflete, em maior escala, talvez, o que pode ter acontecido pelo Brasil afora.

O ambiente político na cidade de São Paulo estava, em 2014, muito mais radicalizado.

Os blocos PT e PSDB se fecharam, digamos assim, em fortalezas muito mais “concretados”, impermeáveis.

Havia um grupo de oito a dez pontos percentuais que podia ir pra lá como prá cá.

Um grupo que não rejeitava os dois candidatos e não tinha se decidido.

Aí, pesavam contra a Dilma dois pontos: a “corrupção” e o temor de que ela fosse capaz de dar o salto na Economia.

Uma semana antes da eleição, porém, do debate da Record em diante, ela subiu, cresceu nesse grupo indeciso.

Porque ela pode ser mais programática e o eleitor desconfiou não do que o Aécio Never falava, mas do que não falava.

Quer dizer, do programa que não apresentava.

Ela pode ter conseguido, entre segunda e terça da semana da eleição, algo entre nove e dez pontos desse grupo.

Aí, saiu a Veja na quinta à noite, nas redes sociais.

Logo em seguida, o boato de que o doleiro tinha sido envenenado, que partiu de deputado da bancada de Beto Richa, na Assembleia do Paraná.

O impacto da Veja começou a ser relevante nas redes sociais.

E se consolidou com a matéria do jornal nacional.

De quinta a domingo, Dilma perdeu oito pontos em São Paulo.

Votos que não tinham ido para ele, e foram.

Foi um impacto brutal – oito pontos – não pelos oito pontos, em si.

Mas, porque eram oito pontos decisivos.

O eleitor da Dilma sabia das denúncias de corrupção, mas votava nela apesar disso.

Mas, os indecisos, não.

Aí, para esses, a denúncia de Veja se tornou realidade no jornal nacional e nas redes sociais.

A penetração pelas redes sociais não foi só dos setores médios e pra cima.

Mas, na Classe C e na base da pirâmide de renda também.

Mas, aí, há uma diferença.

A informação que o leitor recebe na rede social está na fase do “pode ser ou não ser”, porque não houve tempo ainda de ele formar aquele núcleo de sites em que confia.

O jornal nacional, não, o jornal nacional “oficializou a verdade”.

A desconfiança em relação à Globo é altíssima.

O eleitor sabe que a Globo tem lado – é contra a Dilma e o Lula.

Ele sabe de tudo isso.

Mas, isso não significa que o jornal não noticie algumas verdades.

E aquilo que ele viu nas redes sociais pareceu verdadeiro.

E, quando o jornal nacional mostrou, a reação foi: “eu sei que o Bonner é contra a Dilma, mas isso aí é verdade” – pensou a maioria absoluta dos indecisos na cidade de São Paulo.

O jornal nacional não tem credibilidade, mas a corrupção na Petrobrás e a seca em São Paulo – isso fato, é notícia, é verdade …

As redes sociais – aí incluídos os blogs – tiveram muita relevância em 2010, 2014 – é o que demonstra a audiência record do Conversa Afiada – e vão ter mais ainda.

Por enquanto, além de noticiar, os blogs e as redes sociais tem o papel de confirmar o que o navegante já acha.

É uma câmara de eco, um espelho – está vendo ? eu sabia …

O blog é um reforço.

Mas, em 2014, em São Paulo, o blog operou num espaço muito apertado, porque o eleitor já se tinha definido e não queria ouvir o outro lado.

E os indecisos eram poucos.

Qual é a saída ?

Processar a Veja, como fez a Dilma, e os criminosos que operaram com ela, como demonstra o Globo, na Carta Capital.

Outra saída óbvia é tirar poder da Globo – e viva a Ley de Medios que a Dilma anunciou ontem (28/10).

E criar alternativa à Globo.

Na televisão e/ou nas redes sociais.

(Essas observações foram extraídas de longa conversa com quem trabalha com o eleitor de São Paulo há muito tempo.)


Paulo Henrique Amorim

PF suspeita de armação em depoimento de Youssef

Para a PF, a acusação do doleiro contra Lula e Dilma pode ter sido estimulada pela defesa de Youssef

Da Carta Capital:


PF suspeita de armação em depoimento de Youssef, diz “O Globo”



Para a Polícia Federal, a acusação do doleiro contra Lula e Dilma pode ter sido estimulada pela defesa de Youssef, com intenção eleitoral, um dia antes da publicação de “Veja”


O jornal O Globo traz em sua edição desta quarta-feira 29 uma informação que pode ajudar a elucidar a história por trás da “bala de prata” da oposição contra Dilma Rousseff (PT), a indicação, feita pelo doleiro Alberto Youssef, de que a presidente reeleita e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinham conhecimento do esquema de corrupção na Petrobras. Segundo o jornal, os investigadores suspeitam que a declaração do doleiro pode ter sido forçada pela defesa para influenciar o resultado do segundo turno das eleições.



A Polícia Federal investiga como o depoimento de Youssef vazou e, segundo a reportagem do Globo indica, suspeita da ação da defesa do doleiro. De acordo com o jornal, Youssef prestou depoimento na terça-feira 21, como vinha fazendo normalmente, e não citou Lula ou Dilma. Na quarta-feira 22, diz o jornal, um dos advogados de Youssef pediu para “fazer uma retificação no depoimento anterior”. No interrogatório, afirma o Globo, o advogado “perguntou quem mais, além das pessoas já citadas pelo doleiro, sabia da fraude na Petrobras”. Youssef disse, prossegue o jornal, “acreditar que, pela dimensão do caso, não teria como Lula e Dilma não saberem”. A retificação acabou exatamente neste trecho.



No dia seguinte, a quinta-feira 23, antecipando sua circulação semanal em um dia, Veja publicou as declarações de Youssef a respeito de Lula e Dilma. Segundo a reportagem da revista, o doleiro não apresentou provas e elas não foram solicitadas.



A suspeita da PF levanta uma questão temporal curiosa. Enquanto a retificação do depoimento de Youssef teria ocorrido na quarta-feira, segundo O Globo, Veja afirmou em nota que sua apuração “começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira”.



A defesa de Youssef é coordenada pelo advogado Antonio Augusto Figueiredo Basto. Por um ano, Basto teve um cargo de conselheiro do Conselho de Administração da Sanepar, a Companhia de Saneamento do Paraná. Como consta no site da empresa, ele assumiu o cargo em 17 de janeiro de 2011, 16 dias após a posse de Beto Richa (PSDB) como governador do Paraná. Em 25 de abril de 2012, a carta de renúncia de Basto foi lida em assembleia geral da Sanepar, como consta em ata também publicada no site da companhia. No último 23 de outubro, no mesmo dia da publicação de Veja, Basto disse ao mesmo jornal O Globo que desconhecia o teor do depoimento dado por Youssef na terça-feira 21.


A reportagem sobre a suspeita da PF, publicada nesta quarta-feira 29 pelo Globo, no pé da página 6

A notícia veiculada pelo Globo, apurada de Brasília e Curitiba e que não tem assinatura em sua edição imprensa, apenas na versão online, foi relegada à parte inferior da página 6 do periódico, uma escolha que chama atenção diante da repercussão que teve a capa da revista Veja.


No horário eleitoral do dia seguinte, a sexta-feira 24, Dilma Roussef disse que iria processar Veja, e prometeu investigar a corrupção na Petrobras “doa a quem doer”. Na Justiça, o PT conseguiu proibir a editora Abril de veicular propagandas de sua capa, considerada “propaganda eleitoral”, e também o direito de resposta diante da reportagem.


Na sexta-feira e no sábado, véspera do segundo turno, panfletos com a capa impressa de Veja foram distribuídos em várias cidades do Brasil. Na madrugada de sábado 25 para domingo 26 começou a circular pelas redes sociais o boato de que Youssef, internado em Curitiba, teria sido envenenado. A Polícia Federal e o hospital em que ele esteve desmentiram a informação, que circulou pelas redes sociais em uma velocidade impressionante, assustando a militância petista na reta final da votação e provocando um impacto que dificilmente poderá ser mensurado.

Também na imprensa brasileira houve repercussões. No domingo 26, um colunista da Folha de S.Paulo, que publicou reportagem de teor semelhante ao de Veja a respeito do suposto conhecimento de Lula e Dilma sobre a corrupção, acusou a TV Globo de ter “medo” ao não repercutir as denúncias dos dois veículos no Jornal Nacional. Em resposta, o diretor de jornalismo da Globo afirmou que as fontes da emissora não confirmaram “com suas fontes o sentido do que fora publicado” pela revista e classificaram como “distorcida” da reportagem da Folha.


(Por José Antonio Lima

Pernambuco receberá R$ 87,5 mi em projetos industriais, gerando 1.307 postos de trabalho

Foto: Arte NE10.
Foto: Arte NE10.
O Conselho Estadual de Políticas Industrial, Comercial e de Serviços (Condic) se reuniu nesta quarta-feira (29) para analisar projetos de concessão de incentivos fiscais de empreendimentos interessados em se implantar ou ampliar as atividades em Pernambuco. No terceiro encontro do ano foram aprovados 30 projetos, sendo 17 indústrias, dez importadoras e três centrais de distribuição. Uma quarta reunião deve ser realizada em dezembro.
Os investimentos nas indústrias totalizam R$ 87,5 milhões, sendo R$ R$ 53,2 milhões destinados ao interior e R$ 34,3 milhões para a Região Metropolitana do Recife (RMR). Estes investimentos projetam a geração de 1.307 postos de trabalho, dos quais 655 no interior do Estado e 652 na RMR.
Ao todo, 11 municípios foram contemplados, sendo sete no interior e quatro no Grande Recife, são eles: Escada, Caruaru, Vitória de Santo Antão, Venturosa, Limoeiro, Petrolina, Chã Grande, Recife, Olinda, Cabo de Santo Agostinho e São Lourenço da Mata.
Das doze Regiões de Desenvolvimento de Pernambuco, seis foram contempladas: RMR, Mata Sul, Agreste Central, Agreste Setentrional, Agreste Meridional e Sertão do São Francisco.
“Este ano, em três reuniões, já anunciamos mais de R$ 1,2 bilhão em investimentos através de 69 projetos industriais. Desse montante, R$ 863,2 milhões (72% do total) seguirão rumo ao interior de Pernambuco. São números representativos e que animam nossa economia com a geração de 8.747 novas oportunidades de emprego”, afirmou o secretário de Desenvolvimento de Pernambuco, Márcio Stefanni Monteiro Morais.
As três empresas mais geradoras de empregos são a Maje Indústria e Comércio de Materiais Elétricos, que funciona em São Lourenço da Mata e passará por uma ampliação e deve gerar mais 321 postos de trabalho. A Heimer Energia Ltda vai se instalar em Vitória de Santo Antão e vai gerar 320 empregos. Já a Fabiano Pereira de Lima EPP fará uma ampliação na cidade de Caruaru e vai gerar 96 empregos.(Blog de Jamldo)

Sílvio Costa exige que jornalista se desculpe

(Foto: Marina Mahmood)
As declarações preconceituosas contra o Norte e Nordeste provocadas pela vitória da presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), têm provocado reações de repúdio de vários setores da sociedade.
Nesta quarta-feira (29), o deputado federal reeleito Sílvio Costa fez um pedido ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, para que ele encaminhe à Rede de Televisão Globo News e ao jornalista Diogo Mainardi um requerimento exigindo um pedido de desculpas do jornalista.
No último domingo (26), depois da confirmação da vitória da petista, Mainardi afirmou que os nordestinos “são bovinos”, por ter votado em peso pela reeleição de Dilma.
“o jornalista ultrapassou todos os limites da ética, da liberdade de imprensa e da democracia quando fez uma agressão, sem precedentes, na história do jornalismo brasileiro ao povo nordestino”, afirmou o deputado, em seu ofício ao presidente da Câmara.
Segundo a assessoria de comunicação do deputado, Henrique Eduardo Alves firmou o compromisso público de que, “se não houver a retratação, o jornalista será acionado judicialmente”.(Do blog da folha)

Placar final de manchetes negativas: Dilma 702 X Aécio 56

Ao longo da campanha, falamos algumas vezes sobre o Manchetômetro. A ferramenta criada pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (Lemep) da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) veio para explicitar o quanto a mídia é parcial no Brasil: ao longo da corrida eleitoral, Dilma Rousseff foi criticada 12,5 vezes mais que Aécio Neves – foram 702 manchetes negativas para a nossa presidenta reeleita, enquanto Aécio registrou apenas 56.


Na última semana antes da votação do segundo turno, quando a imprensa tentou a todo custo desestabilizar a candidatura de Dilma, publicando acusações mentirosas e mostrando nenhum compromisso com a verdade e com a democracia, foram em média três notícias negativas diárias para Dilma e menos de uma para Aécio. A média dos jornalões, em determinado momento da campanha, era de criticar Dilma 14 vezes antes de tecer um único comentário negativo dirigido a Aécio Neves. Ao longo de uma semana, o Jornal Nacional teve 16 reportagens negativas para Dilma e apenas uma para Aécio.


Nem mesmo a falta de água em São Paulo, gerada pela má gestão tucana no estado, parece ser pauta para a mídia. Os escândalos ligados ao PSDB apareceram, durante a campanha do segundo turno, 50 vezes nos jornais; os ligados ao PT, 122 vezes – mais que o dobro. Tamanha parcialidade da mídia tradicional prejudica o processo democrático – ainda mais quando as grandes redes de comunicação se escondem sob um manto de imparcialidade. Agora, com todos esses números escancarados pelo Manchetômetro, a regulação dos meios de comunicação se coloca como uma pauta urgente para o segundo mandato de Dilma, em nome da defesa da democracia.

Lula: "todos ganham com a ascensão dos humildes"

:
247 - Em vídeo postado na noite desta terça-feira, o ex-presidente Lula agradeceu o apoio do povo e disse que os eleitores deram uma lição ao País. “Eu acho que o povo brasileiro, com todas as divergências, com todos os seus votos diferenciados, deu uma lição de política nos políticos".
Segundo ele, o Brasil melhorou muito com programas sociais como o Bolsa-Família: "A miséria absoluta acabou, as pessoas ganharam cidadania e quem mais ganhou com isso? Ganhou a classe média, ganharam as empresas".
Lula também fez também um manifesto contra o ódio e o preconceito: "Mais generosidade e menos preconceito vai fazer um bem imenso ao País"; "Faço um convite a você que tem preconceito: abra seu coração, abra sua alma e dê uma chance a quem tem menos".
Desde a vitória da presidente Dilma Rousseff neste domingo, ele já não esconde mais seu desejo de voltar ao poder em 2018. A ideia foi publicamente defendida pelo presidente do PT, Rui Falcão, e pelo ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante.
Ele teria dito a aliados que pretende atuar de forma mais efetiva no segundo mandato de Dilma Rousseff para evitar maiores desgastes do governo com a base aliada, como tem ocorrido nos últimos anos. Busca também corrigir o distanciamento dos movimentos sociais, o afastamento com empresários e o excesso de centralização nas ações.
Lula afirma que quer ser mais ouvido quando em situações de crise e dificuldades com o Congresso. Em entrevista nesta terça (28) ao SBT, Dilma disse que "o que o Lula quiser ser, eu apoiarei".

Aposta no voto personificado derrubou Aécio em Minas

Leandro Mazzini - Coluna Esplanada

 Aécio Neves está um poço de mágoas com os eleitores mineiros. Perdeu para a presidente Dilma no Estado nos dois turnos. Ontem, tucanos estupefatos com o resultado no reduto eleitoral que Aécio governou por dois mandatos ainda tentavam entender o que houve e começaram a fazer o mea culpa sobre os motivos da derrota.
A turma elenca: excesso de confiança no voto personificado; PSDB não colocou a militância nas ruas; não investiu no Norte e Nordeste do Estado, bolsões ainda com baixo IDH e alvo do Bolsa-Família; e, principalmente, não tem o apoio dos prefeitos das principais cidades do interior: Uberlândia, Uberaba e Juiz de Fora.
MÁQUINA MUNICIPAL
Pesou a favor de Dilma o uso da máquina municipal. Prefeitos do PT e PMDB no Estado investiram pesado com nas propagandas nas ruas com apoio do comitê nacional. Outra militância a favor de Dilma: 30 dos atuais 53 deputados federais são governistas, entre eles campeões de votos petistas como Reginaldo Lopes e Gabriel Guimarães.
Aécio só venceu em Belo Horizonte e nas cidades do Sul. Em BH, puxaram votos para Dilma dois ícones do PT: Fernando Pimentel e Patrus Ananias, ex-prefeitos da capital. O PSDB reconhece que, pela baixa diferença de votos no resultado nacional, se Aécio vencesse em MG como apostavam nos prognósticos, ele seria eleito presidente.

Está em Paris: ''Nós merecemos'', diz João Santana



 João Santana, o marqueteiro da campanha vitoriosa de Dilma, embarcou anteontem à noite para Paris, acompanhado da mulher e sócia, Mônica Moura. "Se tem alguém que merece descansar, somos nós", disse ela à coluna, enquanto o casal se encaminhava para o check-in em Guarulhos. Vão passar dez dias na capital francesa. A informação é de Mônica Bergamo, na sua coluna desta quarta-feira, na Folha de S.Paulo.

Avalia ainda a colunista que o mapa da vitória de Dilma Rousseff sobre Aécio Neves em Minas Gerais embaralha a tese de que regiões mais ricas votam no PSDB e mais pobres, no PT. Enquanto o tucano ganhou em Belo Horizonte e no Sul de Minas, a petista venceu no próspero Triângulo Mineiro e em cidades médias importantes, como Juiz de Fora, assim como na região mais carente do Estado, o Vale do Jequitinhonha.

PSB: impasse após 2 derrotas na eleição presidencial


Partido vai tentar encontrar um rumo próprio depois de apoiar três candidatos a presidente numa mesma eleição

Opção tirou um pouco do brilho da vitória de Paulo Câmara em PE 
De O DIA - Fernando Molica
 Depois de apoiar três candidatos a presidente numa mesma eleição e de ser derrotado duas vezes (com Marina Silva e com Aécio Neves), o PSB vai tentar encontrar um rumo próprio. Para um deputado do partido, a hora é de serenidade e de muito diálogo. Após a morte de Eduardo Campos, o PSB fechou com Marina e entrou dividido no segundo turno — seu então presidente, Roberto Amaral, não aceitou a aliança com Aécio e declarou voto em Dilma Rousseff. Com a derrota do tucano, o jogo volta a ficar em aberto.
Segundo o deputado, seria um erro dizer que o apoio a Aécio implicará numa ida do PSB para a oposição. Tradicional aliado do PT, o partido, até setembro de 2013, ocupava dois ministérios no governo Dilma; Eduardo Campos chegou a ser ministro de Lula.
 A ala que discordou do apoio a Aécio ressalta que a opção tirou um pouco do brilho da vitória de Paulo Câmara (PSB), eleito governador de Pernambuco no primeiro turno com 68% dos votos. No segundo turno da eleição presidencial, o partido tomou uma goleada: Aécio teve o apoio de apenas 29,80% dos eleitores do estado.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Suzane von Richthofen casa com ex de Elize Matsunaga na cadeia, diz jornal


Suzane, em foto de 2006
Suzane, em foto de 2006 Foto: André Porto / Folha Imagem
Do Extra 

Condenada a 38 anos e seis meses pela morte dos pais, Suzane Von Richthofen, de 30, se casou com a sequestradora Sandra Regina Gomes na penitenciária de Tremembé, em São Paulo, em setembro deste ano. A informação é da “Folha de São Paulo”. Segundo o site do jornal, depois da união, Suzane deixou a ala da evangélicas e agora está na ala das presas casadas. Sandra é ex-companheira de Elize Matsunaga, de 32, presa acusada de matar e esquartejar o marido, o empresário Marcos Matsunaga. As duas haviam se casado no início do ano.

Elize Matsunaga, logo após ser presa, 2012
Elize Matsunaga, logo após ser presa, 2012 Foto: Agência O Globo

O casamento na penitenciária, na verdade, é a assinatura de um documento de reconhecimento afetivo. É ele que garante que as presa convivam como um casal. Ainda de acordo com a “Folha”, Suzane, Sandra e Elize trabalham juntas na fábrica de roupas da prisão. Lá teria começado o envolvimento entre Suzane e Sandra - na época, ainda casada com Elize.

Suzane em entrevista ao “Fantástico”, em 2006
Suzane em entrevista ao “Fantástico”, em 2006 Foto: Reprodução

Suzane já cumpriu 12 anos da pena e, nos últimos tempos, vem tentado mudar sua imagem. Tornou-se evangélica, diz querer se reaproximar do irmão, abriu mão de saídas da prisão, e, agora, está casada.

Fazendeiro suspeito de mandar matar promotor se entrega



Do JC Online
Principal suspeito de ser mandante do assassinato do promotor Thiago Faria, o fazendeiro José Maria Pedro Rosendo Barbosa se apresentou à polícia na tarde desta terça-feira. Zé Maria, como é conhecido, chegou à sede da Polícia Federal, na área central do Recife, acompanhado da esposa e de dois advogados. Antes de prestar depoimento, o homem falou com a imprensa e negou ter mandado matar o promotor.
José Maria disse que não se apresentou antes porque a Polícia Civil o acusou e não queria ouvi-lo. Apesar de ser considerado foragido, o fazendeiro contou que votou nos dois turnos da eleição em Itaíba, mesmo município onde aconteceu o crime.
O caso estava sendo investigado pela Polícia Civil até o início deste mês, quando passou a ser de responsabilidade da Polícia Federal. A PF trabalha com três possíveis linhas de investigação: disputa por terras, vingança e ciúmes.
Na linha de investigação que incrimina Zé Maria, o principal ponto é a disputa por terras. O fazendeiro teria perdido a posse da terra para a noiva do promotor, que arrematou em leilão 25 hectares da Fazenda Nova, em outubro de 2012, onde o fazendeiro morava mesmo sem ser o dono da propriedade. Zé Maria teria creditado sua expulsão da área à interferência do promotor e planejou a execução dele. De acordo com a perícia, três homens armaram a tocaia para o promotor.
Thiago Faria Soares foi morto com quatro tiros de espingarda calibre 12 no dia 14 de outubro de 2013, quando dirigia seu veículo pela PE-300, rodovia que liga Águas Belas, município onde o promotor residia, a Itaíba, local em que ele trabalhava. A noiva de Thiago, Mysheva Martins, e um tio dela também estavam no carro no momento da emboscada, mas não ficaram feridos.

Mercado tem virada e prevê "lua-de-mel" com Dilma

247 - Crítico de peso e de primeira hora do primeiro governo Dilma Rousseff, o economista Toni Volpon, da Nomura Securities, assinou análise divulgada nesta terça-feira 28, em Nova York, prevendo que o Brasil vai entrar “em lua-de-mel” com os mercados globais. Para ele, o País será a bola da vez na preferência dos investidores, a depender da escolha da presidente Dilma Rousseff para o Ministério da Fazenda. 
A Nomura Securities é a maior corretora do Japão, com responsabilidades sobre bilhões em investimentos.
- Os níveis de reservas internacionais ainda estão muito altos. Quando isso é comparado com o 'carry trade' muito alto que o Brasil paga, certamente o maior para qualquer grande mercado emergente com grau de investimento, muitos investidores julgam que é melhor se envolverem com um yield local de 12% do que se preocupar com uma possível crise que está fora do horizonte de investimento", diz o texto de Volpon. Como se lê, bastante pragmático.
Nesta terça, a Bovespa subiu 3,62%, com o dólar em baixa de 1,9%, num movimento atribuído a dois fatores. A presidente Dilma demonstrou calma em não trocar, no calor do resultado eleitoral, a equipe econômica. Houve, simultaneamente, boa repercussão sobre a cogitação do nome do presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, para o cargo de ministro da Fazenda no segundo governo. A presidente anunciou que fará mudanças em sua equipe todas de uma vez, até o mês de dezembro. Com isso, ela manteve em suas mãos a iniciativa sobre o mercado, que passou a trabalhar com a  expectativa de um mudança de guarda no Ministério da Fazenda mais ao feitio dos investidores.

Vereador de Garanhuns solicita implantação de VLT na cidade

Com o intuito de melhorar a mobilidade urbana e a acessibilidade das
pessoas ao transporte público, o vereador Audálio Filho (PSDC),
solicitou por meio de requerimento ao Governo Federal através do
Ministério das Cidades, a implantação do projeto VLT – Veículo Leve
sobre Trilhos, na cidade de Garanhuns.
 
O VLT é uma pequena composição integrada composta por três carros com
capacidade para 600 passageiros em condições de conforto. O projeto
não inclui o fechamento das vias, como ocorre no sistema do metrô,
podendo conviver com o tráfego rodoviário, o que na prática, significa
que a composição pode parar por exemplo, num semáforo para dar
passagem aos carros e pedestres,
 
“Sendo um importante projeto do Governo Federal o VLT já é uma
realidade em várias cidades do país, e em Garanhuns será uma releitura
do bonde que no passado trafegava no munícipio e que hoje promoverá a
modernidade e a mobilidade urbana, conectando diversos bairros de
Garanhuns” salientou o autor da proposição o vereador Audálio Filho.
 
Segundo o parlamentar o VLT compõe o eixo de mobilidade urbana do PAC
2, e os recursos para implantação do mesmo fomentarão a economia do
município além de oferecer ao cidadão um transporte barato, uma vez
que é subsidiado pelo Governo Federal. As rotas e terminais seriam
definidos através de um estudo técnico para melhor adequação das
linhas à realidade de Garanhuns.
 
 

Segunda edição da Feicon Batimat Nordeste repete sucesso de público e geração de negócios



Feira atraiu público de todo o Nordeste e expositores confirmam aumento nas vendas de até 30% com relação a primeira edição da feira

Os números finais da segunda edição da Feicon Batimat Nordeste confirmam as expectativas dos organizadores e traduzem o crescimento do setor da construção civil nesta região que só nos últimos seis anos cresceu 8% na abertura de lojas de ferragens, materiais elétricos e de pintura, segundo dados da Anamaco - Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção. Nestes três dias de evento, realizado de 22 a 24 de outubro, no Centro de Convenções de Pernambuco, a Feicon Batimat Nordeste fomentou mais de R$92 milhões em novos negócios.

Participaram do evento mais de 150 marcas nacionais e internacionais, vindo de países como África do Sul, China, Estados Unidos, Itália e Portugal. Além dos encontros nos próprios estandes de expositores, a Feicon também aproximou fornecedores e compradores realizando uma rodada de negócios. Em apenas um dia foram 55 reuniões agendadas previamente pelo site do evento, reunindo 11 empresas, entre as quais Eliane, Hidracor, Siemens, Reiki e Deca/Hydra. Outra novidade foi o Business Lounge para marcas do segmento da arquitetura e decoração.

Para os expositores, a segunda edição da Feicon Batimat Nordeste oportunizou boas vendas. “Desta vez, a feira superou nossas expectativas. Foi muito bom. Fechamos muitos negócios”, explicou Deiwl de Brida, gerente comercial da Eliane. O executivo disse ainda que se surpreendeu com a qualidade do público visitante. “Se compararmos com o ano passado, nós tivemos um acréscimo de 40% em relação aos negócios. Excelente!”, ressalta.
Para a empresa pernambucana A3 Design, especializada em papel de parede, o retorno foi bem positivo. “Nesta edição, além de participarmos dos ambientes na Decor Prime Show, apostamos em um estande maior e bem localizado para mostrar nossos produtos. O investimento valeu a pena, nosso público aumentou e tivemos um crescimento de 30% em negócios com relação a edição anterior”, comenta Nethe Lima, diretora da empresa.

Feicon NE atraiu visitantes de todos os estados nordestinos

A organização da Feicon Batimat Nordeste ainda destacou o perfil do público que visitou a feira. Foram aproximadamente 9 mil visitantes,três mil a mais que no ano passado. Deste total 62% são pernambucanos, 13% paraibanos, 6% potiguares (RN), 7% alagoanos, 3% baianos e 3% cearenses. Os 6% restantes são de outros estados. O evento também recebeu caravanas do estado da Paraíba, realizadas em parceria com Sinduscon-PB e Sebrae-PB.

A diretora do evento, Liliane Bortoluci, destaca o apoio recebido das entidades do setor da construção civil e arquitetura. “Este ano contamos novamente com mais de 30 apoiadores que, a cada edição, agregam ainda mais credibilidade à Feicon Batimat Nordeste. Entre estes parceiros institucionais podemos destacar a Anamaco, Asbea, Crea, IAB, Fiepe, Siamfesp, Sincomavi, entre muitos outros.

Depois do sucesso, a Reed Exhibitions Alcantara Machado já começa o planejamento da próxima edição que será em outubro de 2015, também no Centro de Convenções de Pernambuco.

Mídia vai ao fundo do poço e sofre a 4ª derrota

POR Ricardo Kotscho

2002, 2006, 2010, 2014.
Nas últimas quatro eleições presidenciais, a velha mídia familiar brasileira fez o diabo, vendeu a alma e foi ao fundo do poço para derrotar o PT de Lula e Dilma.
Perdeu todas.
Desta vez, perdeu também a compostura, a vergonha na cara e até o senso do ridículo.
Teve até herdeiro de jornalão paulista que deu uma de black bloc e foi sem máscara à passeata pró-Aécio em São Paulo, chamada de
"Revolução da Cashmere" pela revista britânica "The Economist", carregando um cartaz com ofensas à Venezuela.
Antigamente, eles eram mais discretos, mas agora perderam a modéstia, assumiram o protagonismo.
Agora, não adianta rasgar as pregas das calças nem sapatear na avenida Faria Lima. "The game is over", como eles gostam de dizer em bom inglês.
Se bem que alguns já pregam o terceiro turno e pedem abertamente o impeachment da presidente reeleita Dilma Rousseff, que derrotou o candidato deles, o tucano Aécio Neves, por 51,6% a 48,4%. Endoidaram de vez. E não é para menos: ao final do segundo mandato de Dilma, o PT terá completado 16 anos no poder central, um recorde na nossa história republicana.
Só teremos nova eleição presidencial daqui a quatro anos. Até lá, terão que esperar no banco de reservas do poder os herdeiros dos barões de imprensa e seus sabujos amestrados, inconformados com o resultado das urnas, se é que vão sobreviver aos novos tempos da mídia democratizada. Cegados pela intolerância, ainda não se deram conta de que já nem elegem nem derrubam mais presidentes. Alguns ficaram parados em 1932 ou 1964, por aí. Vivem ainda em tempos passados, dos quais o Brasil contemporâneo não tem saudades. Devo-lhes informar que o país mudou, e não é mais o mesmo dos currais midiáticos de meia dúzia de famílias, hoje abrigadas no Instituto Millenium.
Diante da gravidade dos acontecimentos nas últimas 48 horas que antecederam a votação, a partir da publicação da capa-panfleto da revista "Veja", a última "bala de prata" do arsenal de infâmias midiáticas para mudar o rumo das eleições, não dá agora para simplesmente fingir que nada houve, virar a página e tocar a bola pra frente, como se isso fosse algo natural na disputa política. Não é.
Caso convoque uma rede nacional de rádio e televisão para anunciar os rumos, as mudanças e as primeiras medidas do seu novo governo _ o que se tornou um imperativo, e deve ocorrer o mais rápido possível, para restaurar a normalidade democrática no país ameaçada pelos pittbulls da imprensa _ a presidente Dilma terá que tocar neste assunto, que ficou de fora do seu pronunciamento após a vitória de domingo: a criação de um marco regulatório das comunicações.
No seu brilhante artigo "Dilma 7 X 1 Mentira", publicado pela Folha nesta segunda-feira, o xará Ricardo Melo foi ao ponto:
"Além do combate implacável à corrupção e de uma reforma política, a tarefa de democratizar os meios de informação, sem dúvida, está na ordem do dia. Sem intenção de censurar ou calar a liberdade de opinião de quem quer que seja. Mas para dar a todos oportunidades iguais de falar o que se pensa. Resta saber qual caminho Dilma Rousseff vai trilhar".
A presidente reeleita, com a força do voto, não precisa esperar a nova posse no dia 1º de janeiro de 2015. Pode, desde já, demitir e nomear quem ela quiser, propor as reformas que o país reclama, desarmando os profetas do caos e acabando com este clima pesado que se abateu sobre o país nas últimas semanas de campanha.
Pode também, por exemplo, anunciar logo quem será seu novo ministro da Fazenda e, imediatamente, reabrir o diálogo com os empresários e investidores nacionais e estrangeiros, que jogaram tudo na vitória do candidato de oposição, especulando na Bolsa e no dólar, e precisam agora voltar à vida real, já que eles não têm o hábito de rasgar dinheiro. Queiram ou não, o Brasil continua sendo um imenso mercado potencial para quem bota fé no seu taco e acredita na vitória do trabalho contra a usura.
O povo, mais uma vez, provou que não é bobo.
Valeu a luta, Dilma. Valeu a força, Lula.
Vida que segue.

Os nomes mais cotados para o novo ministério de Dilma


Blog do Camarotti
 Antes mesmo de a presidente reeleita Dilma Rousseff iniciar as consultas para montar a futura equipe de ministros, integrantes da campanha já reconhecem que o primeiro escalão do futuro governo terá nomes com influência no Palácio do Planalto.
O principal consenso entre os petistas é em relação ao protagonismo do governador da Bahia, Jaques Wagner. Independente do cargo, ele já é apontado como o principal interlocutor da presidente no segundo governo.
Para o Ministério da Fazenda, no lugar de Guido Mantega, o mais cotado é do ex-secretário executivo da pasta Nelson Barbosa, que também é próximo de Lula.
Na pasta do Desenvolvimento, o nome mais forte é do empresário Josué Alencar (PMDB), que tem o apoio do governador eleito de Minas Gerais, Fernando Pimentel.
O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, também ganhou visibilidade na campanha e pode ocupar uma nova pasta, ou participar do novo Conselho Político do governo.
Outra mudança deve ocorrer no Ministério da Cultura. Segundo assessores, Dilma não esconde sua contrariedade com a ministra Marta Suplicy, uma das defensoras do movimento “Volta, Lula” no início do ano. O nome mais forte é o do ex-ministro Juca Ferreira, responsável por mobilizar apoio de artistas e intelectuais para a campanha de Dilma.
Entre os aliados, o governador do Ceará, Cid Gomes (PROS), é cotado para  um cargo de destaque no primeiro escalão. Ele pode ocupar o Ministério da Integração Nacional, para concluir a transposição do São Francisco.

Surpreso e inconformado. Já o 'Rei do Rio' impera



 Aos mais próximos, Aécio Neves não conseguia disfarçar ontem à noite que a derrota em Minas Gerais o baqueou, informa Lauro Jardim, na Veja Online.

Não esperava por isso. Não se conformava.
Enquanto isso, com a vitória de Luiz Fernando Pezão anteontem, o marqueteiro Renato Pereira, já chamado de 'o Rei do Rio', ganhou a sua quinta eleição seguida no Rio de Janeiro – 2006 e 2010 com Sérgio Cabral e 2008 e 2012 com Eduardo Paes.
Pereira, aliás, foi o primeiro marqueteiro escolhido por Aécio Neves para sua campanha à Presidência. Iniciou o trabalho com Aécio, mas bateu de frente com Andrea Neves, que não está acostumada a dividir o poder que detém na campanha do irmão.(Do blog de magno martins)

Dilma isola radicais e obtém tempo e trégua

247 – No day after das eleições mais acirradas da história do Brasil, prevaleceu o chamado à união feito tanto pelo candidato derrotado, Aécio Neves, como, especialmente, pela presidente reeleita Dilma Rousseff. Para quem temia incidentes políticos, provocados por setores descontentes com o resultado, as ocorrências foram iguais a zero. Nem mesmo no epicentro do nervosismo econômico, a Bolsa de Valores de São Paulo, o discurso fim do mundo assustou os investidores além da conta. Após chegar a cair mais de 6%, o índice Bovespa se recuperou parcialmente e fechou em -2,77%.
Não houve nada parecido, no entanto, com uma fuga de capitais ou pânico entre investidores. É certo que as ações da Petrobras caíram 12%, mas isso foi visto como apenas maios uma nova rodada da especulação que já vinha ocorrendo nos últimos dois meses.  O dólar, por outro lado, chegou a R$ 2,50, atingindo um pico em três anos. A alta se deu sem qualquer intervenção do Banco Central.
Na política, as reações foram de tranquilidade diante da reeleição de Dilma. Os chefes do PSDB, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra seguiram pela linha da discrição, sem pronunciamentos na segunda-feira 27. Na véspera, Aécio considerou que a missão "prioritária" é a de unir o País. Alckmin seguiu tocando a agenda de São Paulo, enquanto Serra declarou estar se preparando para ter "muito trabalho" no Senado, onde pretende elaborar e aprovar projeto como da Nota Fiscal Brasileira.
Até mesmo a ex-candidata Marina Silva, que tinha bons  motivos para manter suas críticas ao governo, manifestou que voltará aos seus tempos de militante política.
Da parte do PT, as manifestações ficaram restritas à própria Dilma. Em entrevistas ao Jornal da Record, da emissora do mesmo nome, e ao Jornal Nacional, da Rede Globo, Dilma outra vez pregou a união entre os setores da sociedade:
- Minha palavra de ordem é diálogo. Quero dialogar com os empresários, com o setor financeiro, com o agronegócio e com os movimentos populares, de modo a fazer o que o povo brasileiro me demandou nas urnas: mudanças e reformas.
À tarde, a presidente chamou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao Palácio da Alvorada, de onde despachou ao longo do dia. Ele entrou para a conversa como o nome que deverá ser trocado por Dilma, conforme ela mesma prometeu ao longo da campanha. E saiu na mesmíssima condição. Ele segue como comandante da economia, mas Dilma, com um novo estilo mais pausado e calmo, adiantou que não arquivou a ideia de injetar sangue novo no coração da área econômica:
- Eu tenho medidas para o crescimento que serão apresentadas no tempo exato, disse Dilma ao Jornal da Record.
- Eu não vou trocar apenas um ministro, mas fazer uma mudança em todo o ministério, para fazer, como eu disse na campanha, um governo novo com ideias novas, completou a presidente.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Irmãos Gomes e Kassab ganham prestígio no PT

247 – Entre os aliados do PT na campanha presidencial, os irmãos Cid e Ciro Gomes, do PROS, e o ex-prefeito Gilberto Kassab, do PSD, são os grandes vitoriosos nos bastidores da eleição que acaba de ser encerrada. Cada um ao seu modo, eles cumpriram papéis estratégicos ao longo da campanha, cujos efeitos contribuíram de maneira decisiva para o resultado final.
No Ceará, os Gomes recusaram de primeira hora a alternativa de entrar para o PSB e resolveram trabalhar pela criação de uma nova legenda, o PROS. O movimento deu resultado e impediu o PSB, que na época era articulado por Eduardo Campos, de ser dominante no Nordeste. O atual governador Cid Gomes e seu irmão, o ex-ministro Ciro, apoiaram o candidato do PT ao governo do Estado. Camilo Santana venceu Eunício Oliveira, do PMDB, no segundo turno, o que ressaltou a importância do trabalho dos Gomes para ele.
Agora, Cid Gomes já é um dos nomes mais cotados na bolsa de apostas de Brasília para se tornar ministro da Saúde no novo governo Dilma, a partir de 2015.
Em São Paulo, o ex-prefeito Gilberto Kassab foi igualmente decisivo para o desfecho da eleição presidencial. Mesmo assediado pelo PSDB, que chegou a lhe oferecer a vaga de vice na chapa do governador reeleito Geraldo Alckmin, Kassab preferiu resistir à pressão. Na véspera do último dia para registro de chapas, ele foi procurado pelo ex-governador José Serra para que retirasse sua candidatura ao Senado. Serra, que acabou por se eleger para o cargo, não queria correr riscos. O ex-prefeito, no entanto, não o atendeu. Isso significou um afastamento jamais registrado anteriormente entre os dois.
Mas Kassab cumpriu ainda um papel ainda mais importante. Ele não trabalhou pela ida do ex-presidente do BC Henrique Meirelles para ser vice na chapa de Aécio Neves. Filiado ao PSD, Meirelles foi convencido pelo ex-presidente Lula a ficar fora das eleições. Agora, Meirelles está cotado para integrar uma nova equipe econômica federal. E Kassab, no comando do PSD, pode se tornar o novo ministro das Cidades.


Confira curiosidades do 2º turno das eleições 2014


Do G1
*O primeiro governador eleito no segundo turno foi Rodrigo Rollemberg (PSB). Ele teve a vitória confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no Distrito Federal às 17h37. Rollemberg obteve 55,56% dos votos válidos (812.036 votos), contra 44,44% (649.587) de Jofran Frejat (PR).
 *Eleito governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB) foi o mais votado em 461 dos 497 municípios gaúchos. O petista Tarso Genro, que buscava a reeleição, ganhou em 36. Entre as cidades em que foi o mais votado, Sartori ganhou na capital Porto Alegre e em Caxias do Sul, Canoas e Pelotas, maiores colégios eleitorais do estado.
 *Em uma disputa apertada, Dilma Rousseff (PT) teve confirmada a vitória no segundo turno às 20h30. A reeleição da petista foi definida com 98% das seções apuradas. Naquele momento, a petista tinha 51,45% dos votos válidos (53.317.776 votos), contra 48,55% de Aécio Neves (PSDB).
*O segundo turno entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) teve a disputa mais apertada para presidente desde 1989, quando o país voltou a ter eleições diretas para presidente. A vitória de Dilma só foi conhecida às 20h30, com 98% das seções apuradas. A petista liderava com 51,45% a 48,55%.
*Apenas uma mulher governará um estado do país no próximo mandato. Eleita governadora de Roraima, Suely Campos (PP) foi a única candidata do sexo feminino a vencer as eleições em 2014. A representatividade feminina nos governos estaduais não era tão pequena desde 1998.
*Eleito governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (PMDB) ganhou em 73 dos 92 municípios fluminense, enquanto Marcelo Crivella (PRB) venceu em 19. Pezão foi eleito com 55,78% dos votos válidos (4.343.298), contra 44,22% (3.442.713) de Crivella.
*Eleito governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB) foi o mais votado em 228 dos 246 municípios do estado. Iris Resende (PMDB) venceu em 18. O tucano ganhou a disputa no estado com 57,44% dos votos válidos (1.750.977), contra 42,56% (1.297.592) do peemedebista.
*Um eleitor fez selfie na hora de votar e foi obrigado a apagar a foto do celular para não ser preso. O episódio ocorreu durante votação neste domingo (26) na Escola Estadual Milton Campos, em Belo Horizonte (MG).
*O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou que balanço consolidado com os tribunais regionais eleitorais registrou, até às 18h15 deste domingo (26), prisão de 451 eleitores por crimes eleitorais. Outras 601 pessoas foram autuadas, totalizando 1.052 ocorrências. Não foram presos candidatos até o mesmo horário.
*Uma urna eletrônica foi incendiada por um eleitor de 42 anos em Porteirinha (MG). Ele entrou na cabine de votação com uma garrafinha de refrigerante contendo gasolina. A mídia onde os votos ficam armazenadas não sofreram danos. O homem foi preso.
*Reinaldo Azambuja (PSDB) foi eleito governador de Mato Grosso do Sul e se tornou o primeiro tucano a governar o estado. Azambuja pós fim à hegemonia de PT e PMDB, que se alternavam no poder há 15 anos. De 1999 a 2006, governou Zeca do PT e, de 2007 a 2014, André Puccinelli (PMDB).
*Dilma Rousseff (PT) conseguiu sua vitória mais folgada em Belágua (MA). A petista obteve 93,93% dos votos válidos (3.558), contra 6,07% (230) de Aécio Neves (PSDB). Aécio, por sua vez, conseguiu sua vitória mais tranquila em Miami. Na cidade americana, o tucano somou 91,79% dos votos válidos (7.225), contra 8,21% (646) de Dilma.
*Único estado brasileiro a ter 2º turno para governador consecutivamente desde 1998, o Pará lidera mais uma vez o ranking de abstenções entre os estados que não foram decididos no 1º turno. Em 2014, 25,14% dos eleitores paraenses não compareceram às urnas. Os paraenses também lideraram em 2010, 2006, 2002 e 1998.
*Com quase 100% das urnas apuradas, a presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) venceu as eleições de 2014 em 15 estados, e Aécio Neves (PSDB), em 12 e no Distrito Federal. As informações são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No primeiro turno, Dilma venceu em 15 estados, Aécio em nove.
*Com quase 100% das urnas apuradas, Aécio Neves (PSDB) conquistou 15 capitais nestas eleições, e Dilma Rousseff (PT), 11. A petista foi reeleita presidente da República no segundo turno. No primeiro turno, Dilma e Aécio conquistaram 11 capitais cada, e Marina Silva (PSB), cinco.
*Cinco candidatos ao governo venceram a disputa neste 2º turno “de virada”. Após chegarem à segunda etapa atrás, eles conseguiram sair vitoriosos das urnas. José Melo (PROS), no Amazonas, Reinaldo Azambuja (PSDB), em Mato Grosso do Sul, Simão Jatene (PSDB), no Pará, Ricardo Coutinho (PSB), na Paraíba, e Robinson Faria (PSD), no Rio Grande do Norte, reverteram o quadro.
*Uma urna eletrônica teve de ser trocada neste domingo (26) porque um eleitor colou a tecla “3”, impedindo os votos dos demais cidadãos da seção 11 da zona eleitoral de Formosa, cidade goiana do Entorno do Distrito Federal. Segundo o TRE-GO, a Polícia Federal tentava encontrar o eleitor que estragou o equipamento.
*Apesar de sair derrotado pela quarta vez seguida na eleição presidencial, o PSDB ampliou sua vantagem sobre o PT entre o eleitorado paulista. Aécio Neves (PSDB) liderou a apuração no estado no segundo turno com 64,31% (15.296.28) dos votos válidos, contra 35,69% (8.488.383) de Dilma Rousseff (PT).
 *A presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) venceu em 3.527 cidades do país, segundo levantamento feito pelo G1 com base nos dados do TSE. Aécio Neves (PSDB) saiu vitorioso em 2.043 municípios. No primeiro turno, Dilma ganhou em 3.648 e Aécio, em 1.821. Marina levou em 99.
*O PMDB foi o partido que mais governadores elegeu nas eleições. A legenda vai governar sete estados (RO, RS, RJ, ES, TO, SE e AL), enquanto o PT conquistou cinco (AC, MG, BA, PI e CE), mesmo número do PSDB (PR, GO, MS, PA e SP). PSB venceu em três unidades da federação (DF, PE e PB). PDT e PSD elegeram dois governadores, e PC do B, PP e PROS, um.
*Feliz Natal (MT) apresentou um dado curioso na eleição presidencial. O município mato-grossense registrou percentuais idênticos da disputa nacional, mas com o resultado invertido. Em Feliz Natal, Aécio obteve 51,64% dos votos válidos, e Dilma, 48,36%. Na eleição nacional, a petista é que teve 51,64%, contra 48,36% do tucano