terça-feira, 2 de setembro de 2014

Marina lidera em SP e RJ

G1-Marina Silva (PSB) está na frente nos dois estados – no Rio de Janeiro, ela ultrapassou a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT); em São Paulo, aumentou a vantagem sobre ela e sobre o adversário Aécio Neves (PSDB). Confira os números:
São Paulo
Marina Silva (PSB) - 39%
Dilma Rousseff (PT) - 23%
Aécio Neves (PSDB) - 17%
Pastor Everaldo (PSC) - 2%
Eduardo Jorge (PV) - 1%
Outros com menos de 1% - 1%
Branco/nulo - 7%
Não sabe/não respondeu - 10%

O Ibope ouviu 1.806 eleitores em 87 municípios de SP. A pesquisa, encomendada pela TV Globo e pelo jornal "O Estado de S.Paulo", está registrada no TRE-SP sob o número 00021/2014 e no TSE sob o número 00492/2014.

Rio de JaneiroMarina Silva (PSB) - 38%
Dilma Rousseff (PT) – 32%
Aécio Neves (PSDB) – 11%
Pastor Everaldo (PSC) – 2%
Outros com menos de 1% - 1%
Brancos e nulos - 10%
Não sabe ou não respondeu - 6%
O Ibope ouviu 1.610 eleitores em 44 municípios de RJ. A pesquisa, encomendada pela TV Globo, está registrada no TRE-RJ sob o número 00026/2014 e no TSE sob o número 00491/2014.

Ibope/Rio: Garotinho tem 27%. Pezão, 19%. Crivela, 17%

247 - A pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (2) mostra que Anthony Garotinho (PR) tem 27% das intenções de voto para a disputa do governo do Rio de Janeiro. O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) aparece em segundo lugar, com 19%, o senador Marcelo Crivella (PRB) vem em seguida, com 17%, e Lindberg Farias (PT) tem 11%.
O candidato Tarcísio Motta (PSOL) soma 3% das intenções de voto. Dayse Oliveira (PSTU) tem 1%, e Ney Nunes (PCB) não pontuou. Os votos em branco ou nulos somam 14%, e 8% não souberam informar ou não responderam.
Segundo turno
O Ibope avaliou três cenários de uma possível disputa no segundo turno. Na disputa entre Garotinho e Crivella, os dois teriam 34% das intenções de voto. Brancos e nulos seriam 25%, e 7% não sabem ou não quiseram responder.
Se o cenário fosse entre Garotinho e Pezão, os dois teriam 35% dos votos. Nesse caso, 23% dos entrevistados votariam branco ou nulo, e 6% não sabem ou não responderam. Concorrendo com Lindberg Farias, Garotinho teria 37% contra 31% do petista. Brancos ou nulos seriam 25%, e 7% não sabem ou não quiseram responder.
Rejeição
Segundo a pesquisa, Garotinho tem a maior rejeição entre os eleitores: 34% dos entrevistados não votariam nele de jeito nenhum. Pezão têm taxa de rejeição de 16%, seguido por Lindberg, com 13%. A rejeição a Crivella é 12%.
Os representantes do PSTU, do PSOL e do PCB, somados, têm 22% de rejeição. Já 25% dos entrevistados não sabem ou não opinaram.
O Ibope ouviu 1.610 eleitores, de 28 de agosto a 2 de setembro. A pesquisa foi registrada no TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro) sob o número RJ-00026/2014.

Produção do pré-sal sobe 62% e Brasil bate recorde

SÃO PAULO (Reuters) - A produção de petróleo no Brasil em julho atingiu um recorde de 2,267 milhões de barris por dia, superando em 14,8 por cento o volume registrado um ano antes, com o aumento da extração da Petrobras (PETR4.SA: Cotações) e de outras companhias estrangeiras, informou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta terça-feira.
A produção cresceu ainda 1 por cento ante junho, quando o país produziu 2,246 milhões de barris/dia, segundo a ANP.
A extração de petróleo e gás do Brasil em julho atingiu também recorde de 2,82 milhões de barris de óleo equivalente (boe), contra 2,79 milhões de barris de junho, e um aumento de 14,2 por cento sobre o mesmo período do ano passado.
Segundo a ANP, cerca de 90,7 por cento da produção de óleo e gás foram extraídos de campos operados pela Petrobras, que respondeu pelo maior aumento da extração na comparação anual.
Dos 352 mil barris/dia de óleo equivalente de crescimento na produção do Brasil entre julho de 2014 e julho de 2013, a Petrobras respondeu por 193 mil boe/dia.
Por concessionário, a produção da Petrobras somou 2,40 milhões de boe/dia, alta de 8,6 por cento frente a julho de 2013, principalmente com novas unidades no pré-sal.
A BG Brasil (BG.L: Cotações), segunda produtora do Brasil (por concessionário), também registrou crescimento expressivo, para 79,6 mil boe, ante 44,1 mil boe no mesmo período do ano passado --a BG é importante parceira da Petrobras no pré-sal.
A produção da Shell (RDSa.L: Cotações), terceira produtora no país em julho, também saltou para 58,3 mil boe, ante 18,2 mil boe no mesmo mês de 2013, com aumento na extração no Parque das Conchas, principal ativo da petroleira no país, e em Bijupirá & Salema.
PRÉ-SAL
Já a produção média no pré-sal aumentou 62,4 por cento na comparação com julho do ano passado, para 582,8 mil barris de boe/dia, sendo 480,8 mil barris diários de petróleo e 16,2 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia.
Na comparação com junho, houve leve queda de 0,1 por cento. A agência não apontou motivos para o pré-sal ter apresentado produção ligeiramente menor ante a junho.
O campo de Roncador, na Bacia de Campos, foi o de maior produção de petróleo, com média de 273,1 mil barris por dia.
O maior produtor de gás natural foi o campo de Mexilhão, na Bacia de Santos, com média diária de 6,8 milhões de metros cúbicos.

Coordenador do “LGBT” do programa de Marina pede afastamento da campanha


milton coelho - divulgação

Mais uma baixa aconteceu na campanha de Marina Silva (PSB) à Presidência da República: Luciano Freitas, secretário nacional do partido para o segmento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis).
Ele ficou chateado com a nota divulgada pelo partido, sábado passado, retificando o que estava no programa de governo em relação aos homossexuais.
Foi a terceira baixa na campanha desde a morte do candidato Eduardo Campos. Antes, saíram o secretário-geral do partido, Carlos Siqueira e o coordenador de articulação e mobilização, Milton Coelho, ambos pernambucanos.
À imprensa, Marina alegou ter havido “falha processual na editoração do texto” e mandou retirar do programa de governo questões polêmicas em relação aos homossexuais.
Freitas já voltou para o Recife e disse que vai se engajar na campanha de Paulo Câmara (PSB) ao Governo de Pernambuco.
Otávio Oliveira, que a partir de 2015 será o novo secretário nacional LGBT da legenda, substituirá Luciano Freitas.

Governo federal repassa mais 40 milhões para a Adutora do Agreste


Francisco Teixeira - foto antônio cruz-ZBr

O Ministério da Integração Nacional garantiu nesta terça-feira (2/9) ter realizado no último dia 29/8 um novo repasse no valor de R$ 40 milhões para a continuação das obras da Adutora do Agreste.

As obras estão sendo realizadas pela Compesa, que as desacelerou bastante nos últimos dois meses exatamente por falta de recursos.
Somente no mês de agosto, segundo a assessoria do ministro Francisco Teixeira, foram repassados R$ 65 milhões, totalizando R$ 99,5 milhões só este ano.
No total, foram disponibilizados para esta obra pelo Ministério R$ 367 milhões, ou seja, 30% do orçamento federal para o empreendimento.
Novas liberações serão feitas de acordo com o ritmo da obra e o saldo dos recursos federais já repassados.
O investimento nessa etapa inicial da adutora é de R$ 1,2 bilhão, sendo R$ 1,1 bi do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o restante uma contrapartida do Estado.
Nesta sua primeira etapa, a Adutora vai beneficiar 17 municípios do Agreste pernambucano, a saber: Arcoverde, Pesqueira, Alagoinha, Venturosa, Pedra, Buíque, Tupanatinga, Itaíba, Águas Belas, Iati, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Caetano, Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe.
Quando a obra estiver totalmente concluída vai garantir água na torneira para cerca de dois milhões de pernambucanos em 68 municípios no Agreste do Estado. A captação de água será feita no reservatório de Ipojuca.

Coligação de Armando injeta ânimo na militância



Do Diário de Pernambuco
O candidato da coligação Pernambuco Vai Mais Longe, Armando Monteiro (PTB) esteve reunido, na manhã de hoje, com os militantes para injetar ânimo na reta final das eleições. Durante pouco menos de duas horas, o petebista e seu companheiro de chapa, o deputado Paulo Rubem (PDT), além de aliados políticos, discursaram para cerca de 150 pessoas que se reuniram no comitê, localizado no bairro do Pina, Zona Sul da capital.
O tom dos discursos proferidos no local era de reforço à atuação da militância. “Vocês têm um trabalho fundamental, seja nas universidades, em casa, com os vizinhos ou amigos”, afirmou o vereador Jurandir Liberal (PT). A vereadora Marília Arraes (PSB), os deputados Sílvio Costa (PSC) e Sílvio Costa Filho (PTB), também reforçaram o discurso, com eventuais críticas ao adversário socialista.

Aécio perde em Minas



Por Leandro Mazzini, do Blog Coluna Esplanada
Não é só o efeito Marina Silva que assusta o tucano Aécio Neves.
A situação ficou feia para o senador e ex-governador de Minas até em seu reduto eleitoral, de onde saiu com 92% de aprovação do governo.
Pesquisa DataTempo aponta queda do tucano de 41,2% para 26,5%! Dilma passou a liderar com 36,1%. Marina em 20%.

Vice-prefeito de Cumaru é assassinado



Dois homens numa moto executaram, há pouco, a tiros de revólver, o vice-prefeito de Cumaru, Marcos de Neco (PSD), 49 anos, no viaduto que dá acesso ao terminal rodoviário de Caruaru. A vítima, que além de político era comerciante de móveis, acabara de sair de uma lanchonete da família em Caruaru e voltava para Toritama dirigindo o seu carro, uma Picape Frontier – placas TGI-5213.
Não se sabe até o momento a motivação do crime. Segundo o prefeito de Cumaru, Eduardo Tabosa (PSD), o vice-prefeito não tinha inimigos, era muito querido no município e estava cotado para disputar a Prefeitura nas eleições de 2014 pelo seu grupo. “Ele seria o nosso candidato natural”, disse Tabosa. O corpo do prefeito, crivado de balas, permanece dentro do carro sendo periciado pela Polícia Civil em cima do viaduto que dá acesso a Caruaru.(Do blog de magno martins)

Câmara quer Estado parceiro das cadeias produtivas

Candidato esteve reunido com representantes do Sindicombustíveis (Wagner Ramos/Divulgação)
O candidato ao Governo do Estado pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), pretende estabelecer parcerias com os diversos segmentos que ajudam a constituir o PIB estadual. Em almoço com representantes do Sindicombustíveis, nesta segunda-feira (1), o socialista se comprometeu a manter o diálogo aberto com o setor.
“Sem parcerias é difícil para qualquer governo ter bons resultados. Nosso governo será um ator que ajudará vocês a construir ainda mais”, afirmou o postulante, frisando a importância do setor que, atualmente, representa 19,5% da arrecadação estadual. “Temos o compromisso de fortalecer os arranjos produtivos. E com vocês não será diferente”, completou.
Câmara também ressaltou que vai atuar como interlocutor do setor junto ao Governo Federal. “Com a futura presidente Marina Silva (PSB), Pernambuco terá um papel importante. Marina vai dar continuidade aos sonhos do ex-governador Eduardo Campos e terá um olhar diferenciado para o nosso Estado. Lutarei para que o Governo Federal reverta essa política perversa com o setor”, pontuou.

Armando ataca proposta “demagógica” de Câmara

Senador criticou promessas do seu adversário para o setor (Anderson Bandeira/Folha de Pernambuco)
Ao participar da sabatina do programa Opinião Pernambuco, da TV Universitária, nesta segunda-feira (1), o candidato ao Governo do Estado pela coligação Pernambuco Vai Mais Longe, Armando Monteiro Neto (PTB), criticou as promessas feitas pelo seu adversário Paulo Câmara (PSB) para a área de educação. Segundo o senador, o socialista fez uma proposta demagógica ao dizer que iria aumentar o salário dos professores da rede estadual de Pernambuco para quatro mil reais.
“Ele (Paulo Câmara) foi secretário da Fazenda quando a receita do Estado crescia extraordinariamente. Se neste momento que o Estado teve um grande espaço fiscal, o Estado não fez (o aumento), como é que agora ele está dizendo que vai dar quatro mil reais?”, questionou Armando.
O petebista aproveitou o debate e falou sobre sua proposta para os docentes do Estado. “É possível fazer um plano de cargos e carreiras para que num prazo de quatro anos o professor tenha um aumento a mais do salário atual”, relatou.
Da Folha de Pernambuco.

Emprego formal mantém saldo no primeiro semestre do ano

Autor: Roni Silva

Segundo pesquisa da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil gerou mais empregos que países como Chile, Japão e Austrália. Só neste primeiro semestre foram registradas 588.671 novas vagas.


O ministro do trabalho e emprego Manoel Dias ressalta: “Isso prova que a nossa política está correta: manter o crescimento sem sacrificar a classe trabalhadora”, além disso, o ministro afirma que os setores que decaíram serão impulsionados: “Esperamos uma recuperação desses setores a partir de agosto, com o aumento da produção das empresas para as compras de final de ano”, disse.
Segundo os Dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados, já foram gerados um total de 5.512.308 empregos com carteira assinada desde 2011, um crescimento de 12,51% no estoque de empregos formais no país. Em 12 meses o aumento foi de 737.097 postos de trabalho, correspondendo à elevação de 1,82%. No acumulado do ano a expansão foi de 1,56%, representando um acréscimo de 632.224 novas vagas. Em julho, com o incremento de 11.796 postos de trabalho gerados, o crescimento foi de 0,03% em relação ao mês de junho, resultado de 1.746.797 admissões contra 1.735.001 desligamentos no período.

O resultado de julho mantém a trajetória de crescimento do emprego no país. Segundo Dias, apesar do agravamento da crise mundial, o Brasil tem se consolidado como um dos países que mais gera empregos no mundo desde 2008. “Em 2014, enfrentando o mesmo cenário econômico global, ainda geramos mais empregos do que países como Chile, Austrália e Japão”, avaliou.

Dentre os oito setores de atividade, sete expandiram o nível de emprego em julho. Em termos absolutos, os principais setores responsáveis pelo desempenho positivo foram: Serviços, Agricultura, Construção Civil e Administração Pública, porém, a Indústria de Transformação, foi o setor onde se registrou maior declínio no nível de emprego.

Ele destacou a importância da geração de postos continuar positiva no mercado brasileiro, mesmo num cenário mundial adverso. No acumulado do ano foram gerados 632.224 postos de trabalho formais e nos últimos doze meses, o aumento alcançou 737.097 postos. “Somente nos últimos 10 anos, criamos 10.8 milhões de empregos, sendo 5,5 milhões no atual governo”, acentuou o ministro.

No recorte geográfico, três das cinco grandes regiões apresentaram aumento no emprego, com destaque para a região Norte, com geração de 9.438 postos; Centro-Oeste, com 6.324 postos gerados; e Nordeste que gerou 6.013 postos formais no mês. Em termos absolutos, é a primeira vez que a região Norte lidera a geração de empregos no ano. Tal resultado foi proporcionado pelo desempenho do Pará (+ 6.287 postos) devido, principalmente, ao saldo positivo da Construção Civil (+4.727) no estado.

Entre as 27 Unidades da Federação, 17 delas elevaram o nível de emprego. Os destaques positivos foram São Paulo (8.308), Pará (6.287) e Mato Grosso (3.741).

Fonte: MSN Empregos

Vem mais pesquisas para governador em Pernambuco

As eleições em Pernambuco estão cada vez mais empolgantes, Uma verdadeira enxurrada de pesquisas eleitorais sobre a sucessão estadual em Pernambuco está prevista para esta semana: Ibope na quarta-feira, quinta-feira tem Datafolha e na sexta-feira Opinião,Já no sábado, a revista IstoÉ deve chegar às bancas com um levantamento do Instituto Sensus.A confirir os resultados.

Malafaia: ''se gabando'' de mais um recuo de Marina



A revelação de  Bernardo Mello Franco, na Folha de S.Paulo é de que o  pastor Silas Malafaia, porta-voz do conservadorismo evangélico, comemorou a mudança de última hora.Pare as máquinas Para apagar o casamento gay da lista de promessas, Marina teve que suspender às pressas a impressão de seu programa de governo. Cerca de 300 exemplares foram para o lixo.
 "Já viram o recuo de Marina devido às posições do povo de Deus?", festejou, no Twitter. Na sexta-feira, ele ameaçava atacar a candidata.
O vice de Marina, Beto Albuquerque (PSB-RS), elogiou o pastor. "Malafaia é uma liderança religiosa muito grande no país", afirmou.

Ex-funcionário de usina, em Tiúma, periferia de São Lourenço, é o dono da empresa que pagava custos do avião de Eduardo Campos

Do Blog Jamildo
Logo depois que o avião de Eduardo Campos caiu em Santos, no litoral de São Paulo, a imprensa nacional tentou localizar os donos da empresa Lopes e Galvão Ltda, que pagou à Líder Táxi Aéreo todas as despesas de apoio em solo do jato usado por Eduardo Campos no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, na véspera do acidente.
O serviço foi executado pouco antes da decolagem do jatinho Cessna prefixo PR-AFA, que caiu em Santos matando Campos e outras seis pessoas de sua campanha. O atendimento aeroportuário prestado pela Líder incluiu o oferecimento de uma sala vip, embarque dos passageiros, bagagem e transporte terrestre dentro do aeroporto.
A empresa inicialmente havia fornecido como sede o endereço de uma escola, em Campinas (SP). No endereço apresentado pela Lopes e Galvão funciona uma escola de educação infantil. Marília Priscila Galvão, sócia-fundadora da escola, disse aos jornais nacionais que o primeiro nome do estabelecimento, fundado em 1991, foi de fato Lopes e Galvão Ltda. Marília se disse surpresa de ver o nome Lopes e Galvão envolvido com pagamento de despesas de avião. Perguntada se tem algum vínculo com a AF Andrade, a operadora do avião no qual viajava Campos, Marília negou. Marília recorreu a seu contador para chegar à conclusão de que o nome da empresa pode ter sido usado indevidamente por terceiros.
Na época, a Líder Táxi Aéreo confirmou aos jornais nacionais que fez o apoio de solo no Santos Dumont, mas se recusou a informar quem arcou com os custos, alegando se tratar de assunto confidencial celebrado em contrato.
Teoricamente, quem deveria arcar com os custos e serviços deveria ser a AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda, que arrendou a aeronave. Oficialmente, o avião pertencia à Cessna Finance Export Corporation e era operada pela empresa privada AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda, por meio de arrendamento operacional (leasing), como consta no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) da Agência Nacional de Avião Civil (Anac). Na prática, o avião era utilizado por três empresários pernambucanos, que teriam emprestado o avião para a campanha do PSB.
Empresa de serviços gerais
Na verdade, a empresa Lopes e Galvão, que se dedica a serviços gerais, não tem registro na Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe) – apenas no cartório de São Lourenço da Mata -, e funciona na casa simples do dono, na periferia da cidade da Copa, em Tiúma.
O dono da Lopes & Galvão, que chegou a trabalhar na Usina Tiúma, conhece e já prestou serviço para Apolo Santana Vieira, dono da Bandeirantes Pneus, que assumiu em nota oficial ter tentado comprar a aeronave, antes do acidente. Junto com o empresário João Carlos Lyra Pessoa de Melo Júnior e outro empresário, Eduardo Freyre Bezerra Leite, conhecido como Eduardo Ventola.
Seria um novo laranja?
O empresário diz que não tem nada a ver com empresas fantasmas.

Para evitar derrota em casa Aécio triplica visitas a MG



 Depois de ter sido desbancado nas pesquisas pela candidatura de Marina Silva (PSB) na corrida presidencial, o tucano Aécio Neves está mais preocupado em assegurar seu eleitorado em Minas Gerais. No fim de semana, Aécio Neves mandou refazer sua agenda faltando quatro semanas para a votação. Na programação da campanha, havia previsão de quatro viagens para Minas no mês de setembro. Agora são pelo menos 10.
A ideia é tentar evitar que o petista Fernando Pimentel vença as eleições para o governo do estado no primeiro turno. Aécio tentará levantar a candidatura do tucano Pimenta da Veiga e levar a decisão para o segundo turno. Além disso, os tucanos já constataram que Aécio perde para Dilma dentro de casa e querem tentar reverter o quadro. Nesta semana, ele fará campanha em Belo Horizonte e em Uberlândia, na quinta-feira.(Do blog de magno martins)

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Duelo no debate: Dilma X Marina

247 – A presidente Dilma Rousseff e a candidata do PSB, Marina Silva, entenderam a mensagem das últimas pesquisas de opinião da eleição presidencial. Em situação de empate técnico em primeiro turno - e com dez pontos de separação, a favor de Marina, na simulação de segundo turno - elas já praticam tentativas de desconstruir uma a outra, para obter votos sobre os correspondentes desgastes.
- Eu sou persistente, avisa Marina.
- Eu acredito no Brasil e vou defender o meu governo, anuncia Dilma.
No início da noite desta segunda-feira 1, as duas adversárias levaram para o estúdio principal do SBT, em São Paulo, no debate organizado pela emissora, o jornal Folha de S. Paulo, o portal UOL e a rádio Jovem Pan estratégias praticamente iguais: ataque e defesa, de acordo com as circunstâncias.
Abrindo, por sorteio, a primeira série de perguntas, Dilma logo dirigiu para Marina. "Como a sra. vai pagar pelas suas promessas de campanha?", quis saber a presidente, que calculou em R$ 140 bilhões os custos dos programas apresentados por Marina até aqui para Saúde, na qual prometeu investir 10% do Orçamento da União, e Educação, em que se comprometeu com outros 10% do total de gastos do governo.
- Vou racionalizar os gastos públicos e administrar de forma não cartesiana, respondeu Marina que, no entanto, foi confrontada pela presidente, numa segunda rodada, sobre o fato de estar relegando o pré-sal, explorado pela Petrobras, como forma de arrecadar recursos para a área social. Marina chegou a dizer que o petróleo é um 'mal necessário" e que sua prioridade é sustentar o programa do etanol e de fontes alternativas de energia.
- O Brasil hoje é o segundo maior parque do mundo em instalações de torres de energia eólica, lembrou a presidente. Na direção de Marina, Dilma questionou:
- Por que a sra. despreza a riqueza do pré-sal que é tão cobiçada pelo mundo todo?, questinou Dilma.
- Eu acredito que a cadeia tecnológica do petróleo é importante, mas acho que temos de estar não somente onde a bola está, mas onde ela vai estar, disse Marina sobre fontes alternativas de energia.
Neste segundo embate, o primeiro depois da situação de empate técnico entre Dilma e Marina, a presidente foi nitidamente mais assertiva. Ela não teve receio em dirigir perguntas diretas à ex-ministra e citou, de memória e também sob consulta de papeis, uma série de dados sobre sua administração.
- A candidata tem dificuldade em reconhecer seus erros, alfinetou Marina, com sua forma enfática de falar, vestida de braço.
De blazer vermelho, Dilma afirmou que Marina não terá sucesso sem ampliar sua própria base política.
- Eu apostei na governabilidade, disse Dilma. A sra. não vai conseguir nada no Congresso se não tiver apoio político, se não fizer negociações. Sem isso, nada anda.
Marina deixou de lado, durante todo o debate, a expressão 'nova política', que sofreu forte desgaste por uma série de razões. Desde o jatinho sem dono em que voaram o ex-governador Eduardo Campos e a própria Marina, até o fato de a candidata não revelar os nomes das empresas que contrataram suas palestras, por um total de R$ 1,6 milhão, nos últimos dois anos. O fato foi questionado pelo candidato tucano Aécio Neves.
- Eu não vejo problema em revelar os nomes, mas só as empresas que contrataram é que podem fazer isso, respondeu Marina.
A candidata socialista encaixou um bom golpe ao dizer que respeita o legado dos presidentes Fernando Henrique e Lula, com o nítido sentido de ampliar sua base de apoio. Dilma, em considerações finais após Marina, frisou que sua gestão é de continuidade à de Lula.
Serão assim, com intervenções pontuais do presidenciável do PSDB, que caiu para o terceiro lugar nas pesquisas, citações aos dois ex-presidentes e mais embates frontais entre Dilma e Marina, que ponteiam, as próximas etapas da campanha.

Câmara aposta em vitória no 1º turno

Da Folha de Pernambuco
Manter a estratégia e intensificar o ritmo das agendas. Esta é a orientação da campanha do candidato ao Governo do Estado pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), na reta final da disputa.
Confiante com o seu crescimento nas últimas pesquisas eleitorais, o socialista demonstra segurança e aposta em vitória no primeiro turno do pleito estadual. “Vai ser primeiro”, garantiu Câmara, após ato com a militância em Casa Forte, na Zona Norte do Recife, nesse domingo.
O projeto socialista começou ganhar volume com o resultado das amostragens e candidatos proporcionais, que estavam afastados da majoritária, intensificaram a participação nas agendas do postulante, os últimos dias.
No entanto, Câmara alerta que é preciso manter o ritmo da campanha para garantir a vitória do projeto majoritário. Segundo ele, as pesquisas inda apontam forte desconhecimento do seu nome entre os eleitores.
“A estratégia é a mesma. Sabíamos que esse crescimento ia ocorrer após o guia eleitoral e vamos continuar fazendo o que a ente programou. Vamos intensificar, nos próximos dias”, firmou. O candidato mantém estratégia de direcionar suas agendas de segunda a quinta-feira na Região Metropolitana do Recife e o fim de semana o Interior do Estado.
Paulo Câmara comparou sua trajetória eleitoral a do prefeito do Recife, Geraldo Julio PSB). O socialista afirmou que utilizará a mesma estratégia adotada na eleição do correligionário em 2012. “É a esma estratégia. Geraldo Julio tem muitas semelhanças com a minha candidatura. Uma pessoa desconhecida que nunca tinha disputado eleição e teve oportunidade de e apresentar. A estratégia é a esma. Vamos intensificar muito até 5 de outubro”, frisou.

Em comício, Armando provoca Câmara

Depois de realizar um périplo por várias cidades do Estado, o candidato da coligação Pernambuco Vai Mais Longe, senador Armando Monteiro Neto (PTB), encerrou no fim da noite desse domingo a maratona com um comício em Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste do Estado, com provocação ao seu principal adversário, Paulo Câmara (PSB). Ao lado do nome ao Senado na sua chapa, João Paulo (PT), o petebista diz ter realizado o mais expressivo ato até aqui.
“Sou candidato a governador por causa do apoio dessa cidade e do povo de Pernambuco”, afirmou Armando para uma plateia de 20 mil pessoas, segundo a organização do ato.
O petebista falou que sua relação com Santa Cruz do Capibaribe e região não iniciou nesta eleição. O candidato a governador enfatizou que sua ligação com o município remonta da época em que foi eleito ainda para o primeiro mandato de deputado federal, em 1998. E aproveitou para alfinetar o seu principal adversário, o candidato da Frente Popular, Paulo Câmara (PSB).
“Nunca vim aqui para cobrar impostos de ninguém. Pelo contrário, vim para plantar o progresso dessa região”, afirmou Armando Neto, numa referência a Câmara. O senador também enumerou as suas propostas de governo. Na saúde, o petebista afirmou que vai integrar toda a rede estadual e criar clínicas para exames laboratoriais e de imagem. Na educação, Armando garantiu que vai dar atenção especial aos professores. Aos micros e pequenos empresários, o candidato enfatizou que vai prover o melhor ambiente tributário para ajudar no crescimento do setor.(Do blog da folha)

Lewandowski alfineta JB: 'juízes não devem se deixar influenciar pela imprensa'

por João Peres, da Rede Brasil Atual
Às vésperas de completar um mês à frente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski escolheu novo momento simbólico para marcar o período de transição na máxima Corte. O ministro compareceu hoje (1º) em São Paulo ao ato de entrega do título de doutor honoris causa ao jurista Claus Roxin, autor da Teoria do Domínio do Fato, e teceu críticas ao que considera uma aplicação indevida das ideias do professor alemão no julgamento da Ação Penal 470, o chamado "mensalão".
"A teoria do Domínio do Fato não pode ser empregada no regime democrático. Não pode ser empregada para uma organização que esteja atuando dentro da lei", disse Lewandowski durante ato organizado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. "Só pode ser utilizada num momento de exceção ou para organizações criminosas que atuem à margem da ordem jurídica. Não basta supor que alguém tinha ciência do delito cometido."
Ao longo do primeiro mês de aposentadoria de Joaquim Barbosa, Lewandowski tem enviado sinais de como será sua gestão à frente do Supremo. Até aqui tem mantido perfil mais discreto, com raras entrevistas, no geral sem citações diretas ao antecessor. A montagem da pauta do pleno do Supremo também tem obedecido a critérios diferentes: em vez de casos de alta repercussão político-partidária, Lewandowski tem privilegiado as chamadas ações de repercussão geral, aquelas que motivam um elevado número de ações em âmbito nacional e que mexem com a vida de milhares – ou até milhões – de pessoas. A ideia é firmar jurisprudência que crie uma linha de atuação para acelerar os julgamentos de processos do mesmo tipo em instâncias inferiores.
A ida ao evento em homenagem a Roxin constituiu novo momento simbólico na gestão do presidente do Supremo, que em raras oportunidades comentou publicamente o julgamento do mensalão, menos ainda com a ênfase que deu à ação durante seu discurso de hoje, com 16 minutos.
Enquanto Barbosa ainda era o chefe do Judiciário, Lewandowski chegou a dizer que o bom juiz se manifesta pelos autos, e não pela imprensa. Agora, escolheu uma conversa com estudantes para manifestar discordância em relação ao que ocorreu ao longo dos últimos dois anos na Corte. Barbosa se valeu da Teoria do Domínio do Fato para alegar que o ex-ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, era automaticamente culpado pelos atos de corrupção ocorridos nas relações entre o governo e o Legislativo. Ainda que não existissem provas materiais, afirmou o então presidente do Supremo, poderia ser suposto o conhecimento de Dirceu a respeito do caso.

TRE-SP indefere candidatura de Maluf a deputado

 


O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) indeferiu, por 4 votos a 4, a candidatura do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) à reeleição. A decisão tomada pelo tribunal hoje tem como base a Lei da Ficha Limpa.
O TRE entendeu que a condenação do parlamentar no caso do superfaturamento na obra do túnel Ayrton Senna, na capital paulista, quando era prefeito, o impede de se eleger por improbidade administrativa. Ainda cabe recurso do deputado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
A condenação de Maluf aconteceu no final do ano passado, pelo Tribunal de Justiça. A sentença suspendeu os direitos políticos do deputado por cinco anos, além de o caso estar previsto na Lei da Ficha Limpa.

MPF recomenda que União deixe de repassar verbas para cidades do Agreste do Estado entre elas Angelim

Solicitação foi motivada pela ausência de portais da transparência na internet

Do Portal Folha
O Ministério Público Federal (MPF) expediu, nesta segunda-feira (1), uma recomendação para que a União deixe de repassar verbas voluntárias para 40 municípios do Agreste pernambucano que ainda não implementaram portais da transparência. A decisão, que visa coibir práticas de dano ao patrimônio público e de improbidade administrativa, foi tomada pelo MPF após os municípios não cumprirem um prazo, determinado em dezembro de 2013, para a criação dos portais com informações sobre os gastos e arrecadações de cada cidade, assim como determina a Lei de Responsabilidade Fiscal. A partir desta segunda, a União possui 60 dias para cumprir a recomendação do MPF.
Além da indicação de pausa nos repasses de verbas, 9 municípios do Agreste pernambucano (Inajá, Manari, Garanhuns, Lagoa do Ouro, Buíque, Tupanatinga, Águas Belas, Itaíba e Sertânia) foram ajuizados através de ações civis públicas promovidas pelo Ministério público de Pernambuco (MPPE).
Os portais da transparência são páginas disponíveis na internet que devem disponibilizar informações relativas às despesas pagas e receitas arrecadadas, licitações, contratos, convênios, quadros funcionais, servidores cedidos e temporários, despesas com diárias e passagens, planos de carreira, leis municipais vigentes e data de atualização dos portais.
Já as verbas voluntárias repassadas pela União são recursos destinados em decorrência da celebração de convênios, acordos, ajustes ou outros instrumentos, para realização de obras e serviços de interesse comum.
Os 40 municípios que fazem parte da jurisdição do MPF no Agreste pernambucano podem ser conferidos a seguir:
Águas Belas, Angelim, Bom Conselho, Brejão, Caetés, Calçado, Canhotinho, Capoeiras, Correntes, Garanhuns, Iati, Ibirajuba, Jucati, Jupi, Lagoa do Ouro, Lajedo, Palmeirina, Paranatama, Quipapá, Saloá, São Bento do Una, São João, Terezinha, Alagoinha, Arcoverde, Buíque, Ibimirim, Iguaraci, Inajá, Ingazeira, Itaíba, Manari, Pedra, Pesqueira, Poção, Sertânia, Tacaratu, Tupanatinga, Tuparetama e Venturosa.  

Confira a agenda dos candidatos à Presidência da República

Aécio Neves (PSDB)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera.

Dilma Rousseff (PT)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera.

Marina Silva (PSB)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera
21h – Concede entrevista ao Jornal da Globo - Avenida Doutor Chucri Zaidan, 46, Brooklin

Eduardo Jorge (PV)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera

Eymael (PSDC)
São Paulo
9h - Atende eleitores em redes sociais, na sede do partido
11h - Participa de reunião com equipe de campanha, na sede do partido
Tarde – Sem compromissos de campanha

Levy Fidelix (PRTB)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera

Luciana Genro (PSOL)
São Paulo
17h45 - Participa de debate promovido pelo SBT/Folha/UOL/Jovem Pan, no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera

Mauro Iasi (PCB)
São José do Rio Preto Preto (SP)
9h - Café da manhã no Mercado Municipal. Logo após, panfletagem no calçadão em frente ao mercado
10h - Visita o presidente da Confederação Palestina para a América Latina e o Caribe, Hassan Enlh
11h - Concede entrevista coletiva na Câmara Municipal
13h - Participa de Marcha pelo Poder Popular, no centro de São José, com concentração em frente ao Plaza Avenida Shopping

Pastor Everaldo (PSC)
São Paulo
De manhã até as 17h - Reunião com a equipe da coordenação de campanha
17h45 às 19h25 – Participa de debate promovido pelo UOL, Folha, SBT e Rádio Jovem Pan no SBT Complexo Anhanguera, km 19 da Via Anhanguera

Rui Costa Pimenta (PCO)
São Paulo
Manhã e tarde – Reunião com equipe de coordenação de campanha

Zé Maria (PSTU)
Agenda não divulgada

domingo, 31 de agosto de 2014

Silêncio de Marina sobre clientes lembra Palocci

247 - Em 2011, primeiro ano do governo Dilma, uma reportagem da Folha de S. Paulo revelou ao País a existência de uma consultoria chamada Projeto. Ela pertencia ao então ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, e havia sido criada por ele após sua queda do Ministério da Fazenda, ainda no governo Lula.
Quando estourou o caso, Palocci foi insistentemente cobrado a revelar quem eram seus clientes, para rechaçar qualquer suspeita de tráfico de influência. O ex-ministro, no entanto, decidiu preservar a identidade de seus clientes, alegando cláusulas de confidencialidade em seus contratos. Resultado: foi demitido do governo Dilma, depois que sua situação se tornou insustentável.
Àquela época, Palocci foi alvo de uma saraivada de críticas da oposição e de uma incessante cobrança dos meios de comunicação para que abrisse seus clientes. Até mesmo o senador Aécio Neves (PSDB-MG) assumiu um discurso nessa direção. "É preciso, e eu acho que o próprio ministro tem interesse nisso, que se saiba quais os serviços foram prestados, quais empresas fizeram a contratação. Mas vamos aguardar com serenidade. Não é nosso interesse criar um movimento de desestabilização do governo", afirmou, em maio de 2011.
Neste domingo, a Folha de S. Paulo revelou a existência de outra empresa: a M. O. M. da S. V. de Lima, que tem as iniciais de Marina Silva e comercializa suas palestras. Em três anos, Marina ganhou R$ 1,6 milhão de clientes que pagaram para ouvi-la. No entanto, a ex-senadora, que concorre à presidência da República pelo Partido Socialista Brasileiro, decidiu usar o mesmo argumento de Antônio Palocci em 2011 e omitir a identidade de seus clientes, alegando que os contratos possuem cláusulas de confidencialidade.
É provável que, entre os apoiadores de Marina nos últimos três anos, estejam financiadores já públicos e notórios, como o Itaú e a Natura. Portanto, não seria surpresa alguma se os nomes dessas duas empresas aparecessem na lista de contratantes da M. O. M. da S. V. de Lima Ltda. No entanto, ao ocultar quem são seus clientes, Marina não contribui em nada para o princípio da transparência, tão valorizado na sua "nova política".
Será que Aécio, que cobrou Palocci, irá cobrar Marina? E o que esperar da presidente Dilma? Os próximos dias dirão se as campanhas dos candidatos de PT e PSDB estão, de fato, dispostos a desconstruir a candidata Marina.
Mais um detalhe: comparar a situação de Marina à dos ex-presidentes Lula e FHC, que também fazem palestras, não é apropriado. Lula e FHC se tornaram palestrantes depois de deixar o poder – e não antes. É uma diferença fundamental.

Vice de Aécio 'solta os cachorros' em cima de Marina



 Vice na chapa de Aécio Neves, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) abre a artilharia contra Marina Silva. Ele acusa a rival de usar uma "identidade postiça" para ganhar votos. "Ela improvisou uma personalidade palatável para esconder a imagem de sectarismo que sempre a caracterizou." O tucano ironiza o discurso da "nova política". "Marina demoniza Sarney, Renan e Collor. Os três apoiaram o governo Lula, do qual ela foi ministra. Eles prestavam e agora não prestam?", questiona. As informações são de Bernardo Mello Franco, na sua coluna deste domingo no jornal O Globo. E diz mais o colunista:
''O vice de Aécio ironiza os esforços da adversária para se aproximar do agronegócio. "É mais uma conversão de última hora. Marina comandou uma luta sem quartel contra o Código Florestal. A proposta dela inviabilizaria metade das terras agricultáveis do país."
Aloysio acusa a rival de dizer "bobagens" sobre os transgênicos. "O que ela defende é uma asneira. Ela quer que em algumas áreas se possa plantar, e em outras, não. Então alguns brasileiros podem comer sementes que fazem mal à saúde, segundo a visão dela, e outros não?"
O tucano levanta dúvidas sobre a pregação de Marina contra a polarização entre PT e PSDB. "Ela integrou por 20 anos um partido sectário e rancoroso, que manteve uma guerra sem trégua com o PSDB", acusa.
O senador ainda ironiza as novas companhias da presidenciável no PSB. "O Heráclito Fortes não é nenhum fanático pela propriedade coletiva dos meios de produção. Ele está tão próximo do socialismo quanto eu do hare krishna".(Do blog de magno martins)

Aécio vai para cima de Dilma na base do é tudo ou nada




 A deterioração da economia será mantida como tema central do discurso de Aécio Neves. O tucano vai continuar batendo nos erros de gestão do governo Dilma. Um dos dirigentes políticos de sua candidatura afirma que o combate à ascensão de Marina Silva não pode levar o tucano a mudar sua narrativa eleitoral. Os aliados dizem que é preciso manter a coerência, acreditando que os eleitores vão acordar.
Eles consideram que a evolução da crise econômica os obrigará a refletir sobre quem levou o país a essa situação, quem é capaz de vencer as dificuldades e qual o melhor caminho a seguir. Mesmo que haja pessimismo entre os seus, os assessores do candidato garantem que Aécio está sereno. Mas já há quem defenda que se parta para o tudo ou nada.(Ilimar Franco - O Globo)

Para o Senado, João Paulo tem 29% e Fernando Bezerra Coelho, 19%

Levantamento mostra petista mais forte na capital e socialista com maioria no Sertão

João Paulo (PT) e Fernando Bezerra Coelho (PSB) / Fotos: JC Imagem

João Paulo (PT) e Fernando Bezerra Coelho (PSB)

Fotos: JC Imagem

Na corrida pela vaga do Senado, o candidato do PSB, Fernando Bezerra Coelho (PSB) subiu seis pontos percentuais em relação à última pesquisa IPMN – de 13% das intenções de voto para 19%. Enquanto isso, o candidato adversário do PT, João Paulo, caiu um ponto percentual, ficando com 29%. Oscilação está dentro da margem de erro – de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Pelos dados, o petista continua como favorito, com dez pontos percentuais de vantagem sobre o socialista. 
O cientista político e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Adriano Oliveira, um dos coordenadores da pesquisa, avalia como natural esse crescimento de Fernando Bezerra Coelho, uma vez que o seu candidato ao Governo do Estado, Paulo Câmara (PSB), também teve um salto vertiginoso. “Historicamente, esse é um movimento esperado. O governador tende a puxar o candidato ao Senado”, pontuou. 
O bom desempenho de Bezerra Coelho, que tem no Sertão pernambucano sua origem e reduto eleitoral, aconteceu justamente no território menos identificado com sua figura. O candidato socialista saltou de 9% para 17% de intenção de votos entre os eleitores do Recife. Na Região Metropolitana, o mesmo resultado. Saiu de 7% para 16%. 
No entanto, João Paulo continua a ter folga em regiões como a capital (41%), municípios metropolitanos (36%), Zona da Mata (23%) e Agreste (27%). Em duas delas – Recife e Agreste – o petista, inclusive, cresceu alguns pontos percentuais: quatro e três, respectivamente. A variação, porém, pode ter sido em decorrência da margem de erro. 
Para o cientista político Adriano Oliveira, assim como na eleição para governador do Estado, a corrida em direção ao Senado tende a ser definida pelos votos oriundos da Região Metropolitana do Recife. Nesse ponto, João Paulo, por ter sido prefeito do Recife por dois mandatos e deixado a função com alto índice de aprovação, apresenta certa vantagem em relação a Fernando Bezerra Coelho. 
Adentrando mais profundamente em Pernambuco, o candidato socialista continua segurando o bastão da liderança. No Sertão e região do São Francisco, Fernando Bezerra Coelho tem 27% e 55%, respectivamente. Nessas regiões, o petista aparece com 17% e 12%, na mesma ordem. 
O percentual dos que ainda não se posicionaram na eleição para o Senado continua alto. A soma de branco/nulo/indecisos mais o de não sei/não respondeu chega a 50% do total de entrevistados. Apenas quatro pontos percentuais a menos do que a última pesquisa, publicada no final de julho. “Trata-se de uma margem muito grande para o candidato conquistar nas semanas que se seguem antes da eleição de 5 de outubro”, ressalta Adriano Oliveira.(Do jc.com)

Marina fatura R$ 1,6 mi e omite nomes de clientes

247 - Desde que deixou o Senado Federal, em 2010, Marina Silva se tornou uma bem-sucedida empresária. Em 2011, logo depois de ficar sem mandato parlamentar, ela abriu uma empresa, a M. O. M. da S. V. de Lima, que tem suas iniciais e comercializa suas palestras.
Desde então, Marina ganhou R$ 1,6 milhão de clientes que pagaram para ouvi-la. No entanto, a ex-senadora, que concorre à presidência da República pelo Partido Socialista Brasileiro, decidiu omitir a identidade de seus clientes, alegando que os contratos possuem cláusulas de confidencialidade.
A revelação sobre a empresa de Marina foi feita em reportagem dos jornalistas Aguirre Talento e Fernanda Odilla, da Folha de S. Paulo (leia aqui). Ouvida, Marina alega ter assinado 65 contratos de palestras, desde que deixou de ser senadora. Mas não demonstrou intenção de revelar os nomes de seus financiadores pessoais.
Embora não tenha divulgado os nomes de seus clientes, Marina Silva montou sua empresa ao lado do Instituto Marina Silva, que digitaliza seu acervo e tem como doadora a empresária Neca Setúbal, herdeira do Itaú e coordenadora de seu programa de governo.
Influente sobre modos e atitudes de Marina, incluindo o ato de colocar ou não os óculos no debate da Band, Neca já concedeu uma entrevista em que anunciou medidas de um eventual governo Marina, como a independência do Banco Central. Outro ponto da agenda do Itaú para o País é a redução do papel de bancos públicos, como Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES, na economia. Neca Setúbal tem também indicado nomes de operadores de mercado, como André Lara Resende, para um eventual governo Marina.
Numa entrevista concedida neste fim de semana, o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que concorre ao governo do Paraná, se disse amigo de Marina Silva, mas afirmou ser impossível votar nela. "Para quê? Para entregar tudo ao Itaú?"
A revelação sobre a empresa de Marina é o segundo problema que ele enfrenta, desde que despontou na frente das simulações de segundo turno na eleição presidencial. Ontem, Marina recuou e desfez seu programa de governo, no tocante aos direitos dos homossexuais, depois de receber um ultimato do pastor evangélico Silas Malafaia (leia mais aqui).

Aécio começa a atacar Marina: “Não basta apenas tirar o PT”



247-O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, partiu para o ataque contra a adversária do PSB, Marina Silva, que cresceu nas pesquisas e empatou com a presidente Dilma Rousseff (PT), deixando o tucano na terceira posição da corrida eleitoral. Para Aécio, "não basta apenas tirar o PT" do poder, "é preciso ter um projeto político que ofereça segurança ao Brasil".
No programa de TV transmitido neste sábado, Aécio afirmou: "Eu respeito a Marina. Ela também é uma pessoa com boas intenções. Mas a gente já viu que, para mudar tudo o que está errado, é preciso muito mais do que isso". Segundo ele, "sem experiência, sem força política, o sistema engole as boas intenções da noite para o dia". Para o tucano, "sem força política, a mudança não acontece".
Com o discurso, o presidenciável critica também a doutrina pregada por Diogo Mainardi, ex-Veja e comentarista da Globonews, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), seu próprio cabo eleitoral. Os dois defendem um vale tudo para tirar o PT do poder. Mainardi, por exemplo, disse que defenderá Marina até que ela seja eleita. "Passarei a torcer contra ela um dia depois da posse", disse.

Armando e João Paulo caminharam em São Lourenço

Candidatos estiveram presentes no município neste sábado (30) (Alexandre Albuquerque/Divulgação)
Os candidatos majoritários da coligação Pernambuco Vai Mais Longe teceram críticas ao prefeito de São Lourenço da Mata, Ettore Labanca (PSB). Em visita ao local, neste sábado (30), os postulantes disseram que a cidade estava passando “por dias ruins”. A caminhada no município ocorreu com quase duas horas de atraso e, por conta disso, o percurso ocorreu pela metade.
“São Lourenço merece dias melhores. É perceptível a falta de cuidado com a cidade. Não foram capazes de celebrar uma parceria que existia com o Governo Federal”, disse o candidato ao Governo do Estado, Armando Monteiro Neto (PTB), se referindo a uma possível falta de diálogo do prefeito Labanca com a presidente Dilma Rousseff (PT). O gestor socialista é critico ferrenho da majoritária.
Em seu discurso, o candidato ao Senado, deputado João Paulo relevou a figura do ex-prefeito do município Jairo Pereira (PTB). O ex-gestor estava no palanque com os postulantes. “São Lourenço precisa do novo. O que eu quero dizer é o que Jairo (Pereira) fez aqui foi semelhante o que eu fiz no Recife junto com Lula e Dilma”, relatou.
Etorre Labanca não é o primeiro prefeito socialista que os candidatos da coligação Pernambuco Vai Mais Longe criticam. Nas recentes visitas feitas em vários locais do Recife, os postulantes não poupam o prefeito Geraldo Julio (PSB).

Câmara: “Política se faz junto com o povo”


Candidato esteve no município de Brejinho neste sábado (30) (Beto Figueroa/Divulgação)
O candidato ao Governo do Estado pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), esteve na manhã deste sábado (30) no município de Brejinho, no Sertão do Pajeú. No local, o socialista realizou uma caminhada e relatou que gosta de estar “no meio do povo” para saber das demandas da população.
“Quando faço caminhadas, gosto de ficar no meio do povo; de conversar, de ouvir as pessoas. Pois é para essas mesmas pessoas que eu vou governar. Política se faz junto do povo, e, sobretudo, para o povo. O nosso compromisso, assim como era o do ex-governador Eduardo Campos, é com quem mais precisa”, ressaltou Paulo Câmara.
A caminhada de Paulo por Brejinho foi o segundo ato de campanha do socialista no Sertão do Pajeú. Mais cedo, o candidato da Frente Popular visitou a tradicional feira de São José do Egito. Ele continua seu périplo da região por mais seis municípios.(Blog da folha)

Política em Alagoas é marcada pela violência e corrupção


Além dos baixos indicadores sociais e da forte presença de oligarquias, Alagoas é marcado por vários casos de violência política e de corrupção. O caso mais emblemático ocorreu em 1998, quando a médica Ceci Cunha foi assassinada em Maceió, junto com dois outros familiares, após ser diplomada deputada federal.
Em 2012, o também médico Talvane Albuquerque, primeiro suplente que assumiu o mandato após a morte de Ceci, foi condenado pela Justiça Federal de Alagoas como mandante do crime.
Já no início de 2011, o deputado federal Francisco Tenório (PMN) foi preso pela Polícia Federal, em Brasília, depois de não conseguir ser reeleito. Ele era acusado, assim como dois deputados estaduais, de serem mandantes na morte do cabo José Gonçalves da Silva Filho, em maio de 2006. Segundo a polícia de Alagoas, o militar atuava como pistoleiro.
Tenório voltou ao Congresso em 2013, depois que a deputada Célia Rocha (PTB) foi eleita prefeita de Arapiraca, a segunda maior cidade do estado, abrindo uma vaga na coligação.
Em outro caso, em dezembro de 2007, a Polícia Federal deflagrou uma operação para desmontar um esquema de fraudes na restituição do Imposto de Renda (IR) que teria desviado cerca de R$ 300 milhões da Assembleia Legislativa. A PF chegou a prender o ex-governador Manoel Gomes de Barros.
No ano seguinte, nove dos 27 deputados estaduais chegaram a ser afastados dos mandatos pelo Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL); incluindo o então presidente da Assembleia Legislativa, Antônio Albuquerque. Eles retornaram aos cargos em 2009.(Do blog de jamildo)