quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Aena Brasil inicia operações no Aeroporto do Recife

O governador Paulo Câmara recebeu, ontem, no Palácio do Campo das Princesas, o diretor-presidente da Aena Brasil, Santiago Yus. Na reunião, que também contou com a presença do prefeito do Recife, Geraldo Julio, o executivo atualizou os gestores sobre o andamento da concessão do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, e anunciou que as operações da Aena serão iniciadas em março, logo após o Carnaval. De acordo com Paulo Câmara, a expectativa para o início dos serviços prestados pela empresa espanhola, que administrará o Aeroporto do Recife, é positiva.

“Pernambuco tem, nos últimos anos, avançado na questão da aviação. Hoje, o Aeroporto do Recife é o mais movimentado do Nordeste, e nós queremos que continue assim: com conforto, pontualidade e qualidade dos serviços. Para isso, contamos com a parceria da Aena Brasil, que se comprometeu a iniciar as ações no mês de março. Além disso, a empresa também se comprometeu a, até abril, apresentar o plano de investimentos e as etapas para que o nosso aeroporto continue sendo referência no Nordeste, porta de entrada para quem vem da Europa e, acima de tudo, um hub de opções para o turismo e a economia de Pernambuco”, afirmou Paulo Câmara.
Santiago Yus explicou que o plano de investimentos, previsto para acontecer ao longo dos 36 meses após o início das operações da Aena Brasil, está sendo analisado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). “O plano remete às ações em infraestrutura do aeroporto, como, por exemplo, check-in, segurança, embarque. Tudo tem que ser melhorado”, frisou Santiago, complementando que algumas ações imediatas, entretanto, serão realizadas até junho deste ano. “Entre essas ações estão a reforma de sanitários, melhorias na iluminação e na acessibilidade”, completou.
Na semana passada, a Aena Brasil iniciou as operações nos aeroportos de Juazeiro do Norte (CE) e de Campina Grande (PB). O cronograma segue com os de Maceió (AL), Aracaju (SE) e João Pessoa (PB), que também compõem o bloco de aeroportos do Nordeste arrematado pela Aena Brasil no leilão do ano passado.

Investigação sobre sócio de Flávio Bolsonaro é suspensa

Justiça suspende investigação sobre sócio de Flávio Bolsonaro.
Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil
Por Estadão Conteúdo

A Justiça do Rio suspendeu na terça-feira, 21, investigação do Ministério Público sobre o empresário Alexandre Ferreira Dias Santini. Ele é sócio do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) na empresa Bolsotini Chocolates e Café, que explora uma franquia da Kopenhagen em uma loja no Shopping Via Parque, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.
A decisão se aplica apenas a Santini – o filho do presidente Jair Bolsonaro continua a ser investigado por suposta participação em “rachadinha”. Trata-se do repasse ilegal ao parlamentar de parte expressiva ou de todo salário que os assessores recebem nos cargos de confiança que ocupam.
O desembargador Antônio Carlos Nascimento Amado, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), concedeu habeas corpus pedido por Santini. Sua defesa argumentou que o empresário não constava como investigado no Procedimento Investigatório Criminal sobre o caso. Por isso, não poderia ter sido incluído nos pedidos de busca e apreensão feitos pelo Ministério Público do Rio (MP-RJ). Uma das hipóteses investigadas pela promotoria, porém, é o uso da franquia no shopping para lavar recursos públicos ilegalmente desviados na “rachadinha”. A entrada ilegal de dinheiro seria encoberta pelo negócio legal, acreditam promotores.
O empresário foi um dos alvos das buscas e apreensão, determinadas pela Justiça a pedido do MP e cumpridas em 18 de dezembro. Ao todo, naquele dia foram realizadas 27 ações contra pessoas e empresas. Elas são suspeitas de envolvimento no suposto esquema de desvio de salários de assessores do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O suposto crime teria ocorrido durante o período em que o hoje senador – eleito em 2018 – foi deputado estadual, de 2003 a 2019. Santini teve aparelhos eletrônicos e documentos apreendidos naquela ocasião.
“Constatada a possibilidade de gravame ao direito constitucional do acusado, já que não lhe está sendo oportunizado de maneira adequada o direito de defesa”, cabe ao Poder Judiciário restaurar tal garantia constitucional, sob pena de nulidade das provas futuramente colhidas, escreveu o desembargador. “Paralisa-se, por enquanto, a investigação, até ulterior decisão do Colegiado”, afirmou na decisão.
O Estado não conseguiu localizar a defesa de Santini para que se pronunciasse.

ABI repudia denúncia do MPF contra Glenn Greenwald



Do Blog de Esmael

Associação Brasileira de Imprensa (ABI) divulgou nota em que repudia a denúncia apresentada à Justiça pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o jornalista Glenn Greenwald, editor responsável do The Intercept Brasil.


Para a ABI, “a acusação é um atentado à Constituição, um desrespeito ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Polícia Federal, bem como uma tentativa de condenar o jornalista.

A entidade ainda “conclama a Justiça Federal a rejeitar a denúncia”.

Leia a íntegra da nota:

A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) manifesta sua irrestrita solidariedade ao jornalista Glenn Greenwald, diante da denúncia absurda apresentada à Justiça por um procurador do Ministério Público Federal (MPF).

A denúncia, inteiramente inepta, representa um atentado à Constituição, um desrespeito ao Supremo Tribunal federal (STF) e à Polícia Federal, bem como um tantativa de condenar o jornalista.

A ABI conclama a Justiça Federal a rejeitar, da mesma forma que negou, recentemente, a acusação contra o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, por coincidência, feita pelo mesmo procurador da República.

Pedro Jeronimo de Souza – presidente da AB

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

Inmet emite alerta de chuvas intensas em mais de 30 cidades de Pernambuco

Do NE10

De acordo com o Inmet, as chuvas, que devem ter entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia, podem vir acompanhadas por ventos intensos de 40 a 60 km/h


As chuvas devem ir até a quarta-feira (21), segundo o Inmet
Foto: Reprodução/Site Inmet
Thalis Araújo
Com informações do NE10 Interior

Nesta terça-feira (21), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta de chuvas intensas para 37 cidades do Sertão de Pajeú e do Araripe Pernambucano. As chuvas devem ir até a quarta-feira (21).


Confira a lista das cidades:
Afogados da Ingazeira
Afrânio
Araripina
Bodocó
Brejinho
Cabrobó
Carnaíba
Cedro
Dormentes
Exu
Granito
Iguaracy
Ingazeira
Ipubi
Itapetim
Lagoa Grande
Moreilândia
Orocó
Ouricuri
Parnamirim
Petrolina
Quixaba
Salgueiro
Santa Cruz
Santa Filomena
Santa Maria da Boa Vista
Santa Terezinha
Serrita
Sertânia
Solidão
São José do Belmonte
São José do Egito
Tabira
Terra Nova
Trindade
Tuparetama
Verdejante

De acordo com o Inmet, as chuvas, que devem ter entre 20 e 30 mm/h ou até 50 mm/dia, podem vir acompanhadas por ventos intensos de 40 a 60 km/h. Em caso de rajadas de vento, o instituto orienta a população a não se abrigar debaixo de árvores, pois há leve risco de queda e descargas elétricas. Outra recomendação, também, é não estacionar veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda. Deve-se também evitar o uso de aparelhos eletrônicos ligados à tomada.

Para mais informações, é necessário procurar a Defesa Civil, através do número 199, ou o Corpo de Bombeiro, pelo 193.
Alerta de chuva na Paraíba

A Paraíba também deve receber fortes chuvas chuvas, só que lá a quantidade de cidades afetadas deve ser bem maior. Cerca de 180 municípios foram alertados pelo Inmet, nesta terça-feira. As cidades estão distribuídas no Agreste, Brejo, Cariri, Seridó e no Sertão Paraibano.

A previsão é de que as chuvas, nesta quarta-feira (22), até às 9h, tenham entre 30 e 60 mm e podem vir acompanhadas por ventos de 40 a 60 km.

Lava Jato-RJ x Lava Jato-PR: cai a “Serra Pelada” das delações premiadas

Blog do Esmael


A Serra Pelada é um garimpo no município de Curionópolis, no estado do Pará. A localidade ficou mundialmente conhecida nos anos de 1980 como o El Dorado para os aventureiros que desejavam enricar facilmente. É o maior garimpo de céu aberto do mundo.


Dito isto, o instituto da delação premiada deu ao Paraná a alcunha de a “Serra Pelada” para advogados de Curitiba. Muitos ganharam dinheiro, muito dinheiro, nesse garimpo chamado Lava Jato.

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR), denunciou em sua coluna –neste Blog do Esmael– a existência de um ‘submundo das delações premiadas’ no âmbito da força-tarefa.

Em maio de 2018, a dirigente petista detalhou esse submundo das delações premiadas na Lava Jato e destacou o papel do advogado Figueiredo Basto no “concerto de delações” com o objetivo, segundo ela, de atingir adversários políticos do PSDB e em troca de propina. Acusado por delatores premiados, Figueiredo Basto disse na época que a palavra de delatores não deveria ser considerada.

“Seria a piada pronta, mas é o trágico retrato de um sistema judicial envenenado e partidarizado”, retrucara Gleisi.

Pois bem, a Lava Jato do Rio denunciou o ‘doleiro dos doleiros’ Dario Messer e mais dois advogados, dentre os quais Figueiredo Basto, por evasão de divisas e ocultação de conta no exterior.

Os dois advogados são sócios na capital paranaense e integram o chamado ecossistema “Serra Pelada” das delações premiadas.

Como sorte pouca é bobagem, o ‘doleiro dos doleiros’ se converteu em delator do MPF-RJ e delatou seus defensores, bem como entregou que um procurador da força-tarefa Lava Jato no Paraná recebeu propina gorda de Messer.

Resumo da ópera: não existe Lava Jato boa ou Lava Jato ruim. Todas elas, sejam do Rio ou do Paraná, são movidas por interesses políticos; as contradições entre elas é que trazem luz ao esquema das delações premiadas.

Glenn diz que denúncia é retaliação do Governo

Estadão
O jornalista Glenn Greenwald publicou um vídeo em sua conta no Twitter no qual comenta a denúncia oferecida contra ele pelo Ministério Público Federal no âmbito da Operação Spoofing, que investiga a invasão de aplicativos de mensagens de autoridades brasileiras, entre elas procuradores da Lava Jato e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.
Para Greenwald, a denúncia é uma resposta do governo Jair Bolsonaro (sem partido) contra ele, que coordenou as reportagens da série ‘Vaza Jato’, do site The Intercept, além de configurar também ataques contra a liberdade de imprensa, contra a Polícia Federal (PF) e contra o Supremo Tribunal Federal (STF).
“A própria PF, sob o comando do ministro Moro [Sergio Moro, ministro da Justiça], fez uma investigação completa e concluiu com clareza que eu não cometi nenhum crime, muito pelo contrário. Sempre fiz meu trabalho como jornalista com muita cautela, responsabilidade e profissionalismo”, argumentou o jornalista, acusado pelo procurador Wellington Divino Marques de Oliveira de ser “orientador de criminosos”.
No vídeo, Greenwald também cita a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) da qual foi beneficiário, que proíbe autoridades de investigar o jornalista.
“É um ataque contra imprensa livre, obviamente, mas também contra PF e o STF, que disse que eu não posso ser investigado, muito menos denunciado pela minha reportagem. […] Isso é obviamente uma retaliação do governo Bolsonaro”, defendeu-se.

Leilão do pré-sal fica para ano que vem

A União só vai ver a cor dos títulos de bônus de assinatura dos campos de petróleo de Atapu e Sépia no ano que vem, assim como Estados e municípios. Segundo o jornal Valor Econômico, o governo decidiu prorrogar o leilão previsto para ocorrer neste ano. A União deve arrecadar R$ 24,5 bilhões com o negócio para para reduzir seu déficit primário. Já os entes federativos, R$ 12,8 bilhões.
A queda do déficit primário do governo em 2019, na casa de R$ 70 bilhões contra uma meta de R$ 139 bilhões, foi pressionada pela receita dos leilões de petróleo.


O megaleilão do pré-sal realizado em novembro arrecadou R$ 69,96 bilhões ao vender duas das quatro áreas oferecidas à Petrobrás e às chinesas CNOOC e CNODC.

Partido de Evo Morales indica candidato à presidência da Bolívia



Luiz Arce, Diego Pary, Evo Morales e David Choquehuanca, em reunião em Buenos Aires (foto: Twitter).


O Movimento Ao Socialismo (MAS), partido político liderado pelo ex-presidente Evo Morales, indicou neste domingo (19) a chapa que irá disputar as eleições presidenciais em maio. O candidato à presidência será Luiz Arce, ex-ministro da Economia, e David Choquehuanca, ex-chanceler, foi indicado para compor a vice-presidência na chapa.

O anúncio foi feito por Evo Morales durante uma entrevista coletiva em Buenos Aires, onde vive na condição de refugiado político desde o golpe perpetrado contra o seu mandato.

O anúncio oficial deverá acontecer na próxima quarta-feira (22), data em que terminaria o mandato de Morales. O líder indígena, que governou o país entre 2006 e 2019, renunciou ao poder em novembro – em um contexto de golpe de Estado – após sua vitória no primeiro turno do pleito presidencial.

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) do país definiu que as eleições gerais ocorrerão no dia 3 de maio. Na data, além dos bolivianos votarem em um novo presidente, os bolivianos também deverão escolher novos deputados para a Assembleia Legislativa. Atualmente a Bolívia é presidida pela autoproclamada presidente Jeanine Áñez, que assumiu o poder após o golpe contra Evo Morales.

O líder sindical cocalero Andrónico Rodríguez, de 30 anos, que lidera várias pesquisas de opinião ficou de fora da fórmula presidencial do MAS. Ele conta com forte apoio nas bases de movimentos sociais indígenas e camponesas vinculadas ao partido.

Inscrições são abertas do Sisu 2020: estudantes relatam lentidão

Edição do primeiro semestre tem 237.128 vagas em 128 instituições de todo o país. Período de inscrição foi prorrogado até domingo (26) após erros nas notas do Enem.
Inscrições para o Sisu foram abertas na madrugada desta terça-feira (21) — Foto: Reprodução/Sisu

Por G1
As inscrições do 1º semestre de 2020 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foram abertas na madrugada desta terça-feira (21), mas estudantes relatam lentidão no site e dificuldade para se candidatar às vagas das universidades federais.
Os estudantes podem se inscrever até as 23:59 do próximo domingo (26), já que o prazo foi prorrogado após erros nas correções de algumas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).
Nas redes sociais, usuários reclamam da mensagem que surge logo depois de clicarem no botão 'Fazer inscrição'. Os estudantes são redirecionados para uma página com o aviso de que as "inscrições estão encerradas". Quem consegue incluir os dados pessoais para prosseguir com a inscrição reclama de falhas na autenticação.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Vaza Jato: Dallagnol usou Antagonista para interferir no Banco do Brasil


Novos diálogos revelados pelo Site Intercept mostram que os procuradores da Lava Jata agiram politicamente através do Site Antagonista para interferir na escolha do presidente do Banco do Brasil no governo Bolsonaro.A força-tarefa de Curitiba passou documentos para o Antagonista para tentar evitar que o ex-presidente da Petrobras Ivan Monteiro ocupasse a presidência do banco.

Confira a conversa a seguir:

21 de novembro de 2018 – Grupo Filhos do Januário 3
Deltan Dallagnol – 17:55:49 – Caros, o que temos do Monteiro mesmo?
Dallagnol – 17:56:04 – https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/11/nomeacao-de-monteiro-para-bb-enfrenta-resistencia-da-area-politica-de-bolsonaro.shtml
Athayde Ribeiro Costa – 17:56:49 – De concreto nada: mas uns manuscritos apreendidos com Bendine sao mt suspeitos
Dallagnol – 17:58:04 – Vc consegue identificar? Se forem públicos, essa é a hora de lembrar deles
Dallagnol – 17:58:15 – Se SUPRIMIDO ou alguém puder separar seria ótimo
Jerusa Viecili – 17:58:20 – https://www.oantagonista.com/brasil/presidente-bolsonaro-pergunte-moro-quem-seria-o-ivan/
Costa – 17:58:34 – Ja pedi pra levantar
Viecili – 17:58:46 – antagonista é mais rapido
Viecili – 17:58:49 – hehehe
Dallagnol – 17:59:25 – kkk
Dallagnol – 17:59:43 – Tem mais coisa Tatá?
Costa – 17:59:43 – Mas tem outrso
Dallagnol – 17:59:47 – boua
Costa – 17:59:52 – mando dps
Januário Paludo – 18:01:02 – Noticia velha. https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-ivan-monteiro-e-carta-fora-baralho/
Viecili – 18:02:10 – hahahahaha
Viecili – 18:02:28 – já caiu graças aos manuscritos que Isabel e eu encontramos na casa do bendine
No dia seguinte, Dallagnol passou via Telegram uma série de documentos relacionados a Ivan Monteiro e a Petros (Fundo de Pensão da Petrobras) para o jornalista Claudio Dantas do Antagonista. Dantas prometeu publicar em seguida, mas não foi necessário, pois o presidente do BB já havia sido escolhido: Rubens Novaes.
Dois anos antes, foi Dantas que passou informações para a Lava Jato. Marlene Araújo Lula da Silva, nora do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria recebido um imóvel da OAS. Mesmo sem nenhuma prova, a informação deu inicio a uma investigação informal por parte da força-tarefa. Nada foi encontrado contra Marlene.
Já em 2015, foi Dallagnol que pediu para o Antagonista parar de publicar informações. Veja a mensagem do procurador para o jornalista Diego Mainardi;
28 de dezembro de 2015 – Chat privado
Deltan Dallagnol – 13:56:48 – Oi Diogo, como vai? Antes de tudo, desejo um excelente fim e começo de ano a Vc e família. Parabéns pelos furos do duplex e da Mosack. O colega que atua nisso na nossa FT é o Januario Paludo. Ele me pediu para entrar em contato com Vc e lhe pedir, por um bem maior do resultado do caso e em benefício do interesse social da investigação, que suspenda informações sobre a Mosack, pois veremos em janeiro o que dá para fazer em relação a isso. Compreendemos o lado jornalístico da divulgação, e Januario lhe fornecerá, assim que possível, informações sobre esse assunto de modo prioritário se Vc puder segurar essas informações, como uma forma de agradecer sua contribuição com o caso. Segue o telefone dele. Fique à vontade para contatá-lo diretamente:
Dallagnol – 13:56:56 – [Imagem não encontrada]
Diogo Mainardi – 23:06:16 – Caro Dallagnol, como você sabe, só quero ajudar as investigações, por isso mesmo pedi ao meu pessoal para segurar todas as notícias sobre a Mossack.
Enfim, esse é o tipo de relação que os procuradores mantém com seus jornalistas amestrados.
As informações são do Intercept.

Bolsonaro pagou R$ 48 milhões por auditoria no BNDES que não revelou nada



Uma das promessas de campanha de Bolsonaro era acabar com a mamata e abrir a caixa-preta do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Passado um ano de governo, foram gastos R$ 48 milhões em uma auditoria interna no banco, nenhum indício de corrupção foi encontrado.

Segundo o Estadão, o valor foi pago a um escritório estrangeiro, o Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, que subcontratou outro brasileiro, o Levy & Salomão. O relatório tem oito páginas. Seria como se cada folha custasse R$ 6 milhões.

No parecer de oito páginas, a equipe de investigação concluiu que as decisões do banco “parecem ter sido tomadas depois de considerados diversos fatores negociais e de sopesados os riscos e potenciais benefícios para o banco”.

“Os documentos da época e as entrevistas realizadas não indicaram que as operações tenham sido motivadas por influência indevida sobre o banco, nem por corrupção ou pressão para conceder tratamento preferencial à JBS, à Bertin e à Eldorado”, diz trecho do relatório.

As informações são do Estadão.

Regina Duarte aceita convite para secretaria de Cultura

A atriz Regina Duarte aceitou o convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro para a Secretaria de Cultura do governo federal. A decisão foi confirmada pelo blog da Cristiana Lôbo. Os dois se reuniram hoje, no Rio de Janeiro.

Após a reunião, o Palácio do Planalto confirmou que Regina irá a Brasília na quarta-feira (22) para conhecer a estrutura da Secretaria Especial de Cultura – mas não cravou que ela assumirá o cargo. O comunicado do Planalto diz:
"Após conversa produtiva com o presidente Jair Bolsonaro, Regina Duarte estará em Brasília na próxima quarta-feira, 22, para conhecer a Secretaria Especial de Cultura do governo federal. 'Estamos noivando', disse a artista após o encontro ocorrido nesta tarde no Rio de Janeiro”.
Pela manhã, Regina publicou em rede social que teria uma conversa "olho no olho" com o presidente da República.
Nota da Globo
"A atriz Regina Duarte tem contrato vigente com a Globo e sabe que, se optar por assumir cargo público, deve pedir a suspensão de seu vínculo com a empresa como impõe a nossa política interna de conhecimento de todos os seus colaboradores".

Análise: Fuga de integrantes de facção revela desconexão entre Brasil e Paraguai


Ações de combate ao crime na fronteira entre os dois países são objeto de queixas
Foto: Terceiro / Agência O Globo
O Globo - Por Chico Otavio

RIO - A fuga da penitenciária de Pedro Juan Caballero expõe o descompasso entre os governos do Brasil e do Paraguai no combate às organizações criminosas que atuam na fronteira.
Autoridades paraguaias se queixam de que o país vizinho alega falta de vagas para rejeitar sempre a extradição de presos brasileiros pertencentes a uma das principais facções criminosas nacionais.
No Brasil, porém, a fuga reforça a suspeita de que as instituições paraguaias estão contaminadas pela corrupção. Os presos abriram um túnel, mas poderiam facilmente ter escapado à luz do dia pela porta da frente do presídio.
Em novembro, na “Operação Patrón”, a força-tarefa da Lava Jato do Rio de Janeiro identificou uma extensa lista de agentes e autoridades paraguaias que teriam recebido propina para fazer vista grossa ao megaesquema de tráfico de cocaína e pasta-base envolvendo o empresário brasiguaio Antônio Joaquim da Mota, o Tonho, em Pedro Juan Caballero. Tonho foi acusado de dar cobertura à fuga do doleiro Dario Messer. Essa operação, na qual foi pedida a prisão de Horário Cartes, ex-presidente paraguaio, abriu uma crise diplomática e aprofundou as desconfianças mútuas na tentativa de definir estratégias conjuntas.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

Argentina: Alberto Fernández aumenta salários para aquecer economia


O governo peronista da Argentina decretou, na última sexta-feira (3), um reajuste salarial de 4.000 pesos (o equivalente a cerca de R$ 270) para os trabalhadores do setor privado, uma promessa de campanha para iniciar a recuperação do poder aquisitivo e aquecer a economia do país devastada pelo ex-presidente neoliberal Maurício Macri.

“Os 4.000 [pesos] são um reajuste salarial, não um bônus, nem um pagamento extraordinário”, disse em entrevista à imprensa o ministro do Trabalho, Claudio Moroni.

Os trabalhadores do setor público também terão aumento salarial que será anunciado ainda neste mês, acrescentou Moroni.

Sobre o reajuste para o setor privado, o ministro destacou que o “aumento será igual e uniforme para todas as escalas”.

Com um salário mínimo de 16.875 pesos mensais (pouco mais de R$ 1.140), os sindicatos esperavam um reajuste mais significativo após um ano de inflação galopante. A inflação acumulada em 2019 atingiu a marca de 55%.

O governo argentino espera que o reajuste salarial tenha “um efeito dinamizador na demanda”, e isentou as pequenas e médias empresas do pagamento das contribuições relacionadas ao reajuste pelo prazo de três meses.

O presidente Alberto Fernández adotou um pacote de medidas econômicas de emergência para enfrentar a pior crise econômica da Argentina nos últimos vinte anos, herdada do governo neoliberal de Macri.

*Com Folha Press

Em novo ataque, Bolsonaro diz que jornalistas são 'raça em extinção'

Jair Bolsonaro disparou novos ataques à imprensa nesta segunda-feira (6) e disse que os jornalistas brasileiros são uma "raça em extinção". "Eu acho que vou botar os jornalistas do Brasil vinculados ao Ibama. Vocês são uma raça em extinção", disse ele


Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

247 - Bolsonaro disparou novos ataques à imprensa nesta segunda-feira (6) e disse que os jornalistas brasileiros são uma "raça em extinção". "Eu acho que vou botar os jornalistas do Brasil vinculados ao Ibama. Vocês são uma raça em extinção", disse ele. Bolsonaro também atacou o jornal Folha de S.Paulo, como informa reportagem reproduzida no portal. 

"Quem não lê jornal não está informado. E quem lê está desinformado. Tem de mudar isso. Vocês são uma espécie em extinção. Eu acho que vou botar os jornalistas do Brasil vinculados ao Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente]. Vocês são uma raça em extinção", afirmou o ocupante do Planalto.

Venezuela: jornalista explica por que Guaidó tentou pular a grade do Congresso e o que aconteceu na eleição

Guaidó chega para cerimônia no Congresso em Caracas 05/01/2020
                                        Guaidó chega para cerimônia no Congresso em Caracas 05/01/2020 (Foto: REUTERS/Fausto Torrealba)


Por Victor Farinelli, na Revista Fórum - Neste domingo (5), o deputado Juan Guaidó foi derrotado em sua tentativa de reeleição para a presidência da Assembleia Nacional da Venezuela, mas não caiu em silêncio: pouco antes da votação – que terminou com a eleição de Luis Parra, representante do setor mais moderado da oposição ao chavismo –, ele tentou entrar no edifício da Assembleia Nacional e as imagens o mostram discutindo com a polícia que resguardava o prédio.

O relato do “guaidoísmo”, e de boa parte da imprensa hegemônica, diz que Guaidó foi alvo de uma ação repressiva ordenada por Maduro, mas a verdade é bem diferente disso e mostra um deputado que armou um cenário para posar de vítima e disfarçar uma derrota que sofreu dentro do seu próprio setor.

Militares cometeram mais estelionatos e furtos em 2019

Blog do Matheus Leitão
O número de ações penais relacionadas aos crimes de estelionato e furto praticados por militares aumentou, respectivamente, 95% e 55% em 2019 na comparação com o ano anterior. Os dados são do Superior Tribunal Militar (STM).
O levantamento se refere ao período de janeiro a novembro dos dois últimos anos e tratam de delitos julgados na primeira instância.
Nos julgamentos finalizados em 2018 e 2019, militares das três forças cometeram 46 e 90 estelionatos - fraudes com o objetivo de se obter vantagem indevida. Já os casos de furtos somam 54 no ano retrasado e 84 no ano passado.
Em 2019, o STM registrou 14 ocorrências de peculato (desvio de dinheiro público). No ano anterior houve 10 casos do tipo. Ou seja, um aumento de 40% na incidência.
Em 2018, a primeira instância da Justiça Militar julgou 11 episódios de falsificação de documentos contra nove no ano passado, uma queda de 18%.
Outros crimes que costumam ser apurados pela Justiça Militar registraram modesta queda na comparação entre 2018 e 2019. A deserção (abandono do serviço militar sem aviso prévio) caiu 2,4% no comparativo anual.

sábado, 4 de janeiro de 2020

Militares criticam posição de Bolsonaro sobre ataque a Bagdá

Do Blog de Esmael



A posição ideológica adotada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acerca do ataque em Bagdá autorizado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que matou o general iraniano Qassim Suleimani, gerou críticas dos militares brasileiros.

Na noite desta sexta-feira (3), o Ministério das Relações Exteriores divulgou nota oficial sobre posição do governo do Brasil dizendo ser favorável à ação do mandatário norte-americano.

“O governo brasileiro manifesta seu apoio à luta contra o flagelo do terrorismo e reitera que essa luta requer a cooperação de toda a comunidade internacional sem que se busque qualquer justificativa ou relativização para o terrorismo”, diz um trecho do comunicado de Bolsonaro.

O presidente Jair Bolsonaro escolheu clarear sua posição acerca do ataque dos EUA durante uma entrevista ao jornalista José Luiz Datena, na TV Bandeirantes.

“A nossa posição é a de se aliar a qualquer país do mundo no combate ao terrorismo. Nós sabemos o que em grande parte o Irã representa para os seus vizinhos e para o mundo”, disse, repetindo as linhas fundamentalistas do ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e do assessor especial da Presidência Filipe Martins.

“A vida pregressa dele [Suleimani] era voltada em grande parte para o terrorismo. E nós, tudo o que pudermos fazer para combater o terrorismo, assim o faremos”, continuou Bolsonaro, atribuindo a Suleimani o atentado de 1994 à AMIA (Associação Mutual Israelita Argentina), que matou 85 pessoas.


Os militares brasileiros aconselharam Bolsonaro a se manter posição de neutralidade, mas a influência ideológica de Araújo e Martins, cujo guru ideológico é Olavo de Carvalho, falou mais alto.

Se as redes sociais pediram durante todo o dia de ontem para que o capitão ficasse calado, elevando a hashtag #BolsonaroFicaCalado às alturas, não adiantou nada. Ele surgiu contra a “hierarquia” militar e contra a voz do povo, que se manifesta ainda contrária o ingresso do Brasil num confronto em escala mundial.

Assim como a população, por meio das redes sociais, os militares não veem vantagem alguma o Brasil se alinhar automaticamente com os EUA no Oriente Médio. Além disso, o superávit comercial brasileiro com o Irã foi de US$ 2,2 bilhões no ano de 2018.

Medíocre, o governo Bolsonaro vai continuar batendo continência para a bandeira dos EUA e Trump.

Após morte de general, Irã promete vingança

Iranianos rasgam bandeira americana durante protesto em Teerã, 3 de janeiro de 2020 -  Foto: AFP 
Por Estadão Conteúdo

Um contingente extra de 3.000 a 3.500 militares americanos será enviado ao Oriente Médio depois de os Estados Unidos matarem em um ataque, nesta sexta-feira (3), o cérebro das Forças Armadas iranianas, general Qasem Soleimani, ao que Teerã prometeu uma “séria vingança”.
O presidente americano, Donald Trump, disse que o general Soleimani foi morto quando estava prestes a atacar diplomatas americanos, mas insistiu em que Washington não visa a derrubar o governo de Teerã.
“Soleimani estava tramando ataques iminentes e sinistros contra diplomatas e pessoal militar americanos, mas o pegamos no ato”, disse Trump na Flórida.
Referindo-se a esta personalidade iraniana – assassinado em um ataque com drone em Bagdá – como um “doente”, Trump tentou reduzir as tensões, insistindo em que não quer a guerra com o Irã.
“Não agimos para iniciar uma guerra”, disse Trump em pronunciamento na Flórida. “Nós não buscamos a mudança do regime”.
Enlutado pela perda daquele que era considerado o segundo líder mais importante do país, o Irã explodiu.
Como líder do braço de operações estrangeiras da Guarda Revolucionária iraniana, Soleimani era uma figura respeitada em seu país e estava na vanguarda de um engajamento iraniano amplo e sofisticado em disputas de poder regionais e de forças antiamericanas.
O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, prometeu uma “vingança severa”, enquanto dezenas de milhares de manifestantes queimaram em Teerã bandeiras americanas e repetiram “morte à América”.
Autoridades americanas afirmaram que Soleimani, de 62 anos, foi morto por um míssil disparado por um drone quando estava perto do aeroporto internacional de Bagdá.
Cinco Guardas Revolucionários também morreram no ataque, juntamente com outros cinco membros da milícia iraquiana pró-Irã Hashed al-Shaabi, incluindo seu vice-líder.
O Irã nomeou como substituto de Soleimani seu vice, Esmail Qaani.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2020

Governador adota novo estilo abrindo 2020


O governador Paulo Câmara aproveitou o segundo dia útil do novo ano, hoje, para dar o start em uma nova forma de ficar mais próximo ao povo. Ao lado de oito secretários, fez uma visita surpresa ao bairro de Brasília Teimosa, chamando a atenção dos seus moradores. 

Brasília Teimosa é território do lulismo. Coube ao ex-presidente Lula extinguir de vez as palafitas que serviam de moradia para um grande segmento da comunidade. Isso se deu numa parceria com o ex-prefeito do Recife, João Paulo. Foram removidas mais de 1,8 mil palafitas e entregues 4,5 mil unidades habitacionais. 
Na chegada inesperada ao bairro, o governador conversou com várias lideranças, ouviu demandas e depois almoçou no restaurante Barra do Samurai com secretários e assessores do prefeito Geraldo Júlio, entre eles Fred Oliveira. 
Trocar o gabinete refrigerado pelas ruas é estratégia inteligente e oportuna aplaudida pelo secretário da Casa Civil e articulador político, José Neto, que, aliás, coordenou a visita surpresa à um dos bairros mais populares da capital. 

Usina Angra 1 bate recorde de geração de energia

Foto: Petronotícias/Divulgação
Por Petronotícias 
Passam-se os anos e a primeira usina nuclear brasileira, Angra 1, ainda mostra muita eficiência. Inaugurada em 1985, ela teve em 2019, quase 35 anos depois, a maior produção de energia de sua história. A unidade gerou 5.546.164 megawatts-hora (MWh), superando sua melhor marca, obtida em 2012 (5.395.561 MWh).  
É energia suficiente para abastecer por um ano uma cidade com mais de 2,3 milhões de habitantes, como Belo Horizonte (MG) ou Fortaleza (CE). A primeira usina nuclear brasileira opera com um reator de água pressurizada (PWR), o mais utilizado no mundo, de 640 megawatts de potência. 
O superintendente da unidade, Abelardo Vieira, destaca que, além da produção, Angra 1 permaneceu conectada ao Sistema Interligado Nacional (SIN) por 361 dias em 2019 e atingiu um fator de capacidade de 98,21%, o maior entre todas as geradoras de energia elétrica do país, independentemente da fonte. “Seria impossível atingir esta marca sem a dedicação e o profissionalismo não só do pessoal de Angra 1, mas de todo o corpo funcional da Eletronuclear”, afirma. 
O presidente da empresa, Leonam Guimarães, também comemora o feito: “Angra 1 alcançou resultados muito expressivos nos últimos dez anos e, hoje, é uma das melhores usinas do seu tipo em todo o mundo. Esse resultado é fruto do trabalho que vem sendo realizado, por toda a Eletronuclear, de modernização dos equipamentos e sistemas da usina, visando à extensão de sua licença de operação por mais 20 anos”. 

Bolsonaro admite que vai sancionar "fundão eleitoral"

Bolsonaro/fundão: Se tem uma lei que diz que tem que ter, eu vou vetar?
Foto: Jair Bolsonaro (Foto: Isac Nóbrega/PR)

Por Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro, admitiu nesta quinta-feira, 2, na primeira transmissão semanal pelo Facebook de 2020, que irá sancionar o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) para seguir a Constituição Federal e evitar um processo de impeachment por crime e responsabilidade.
O chamado “fundão eleitoral”, de R$ 2 bilhões, foi incluído no Orçamento de 2020, aprovado no Congresso e será destinado ao financiamento de partidos e políticos nas eleições municipais deste ano.
Segundo Bolsonaro, a lei do FEFC foi criada em 2017 e que no ano passado o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) oficiou a Receita Federal para que alocasse R$ 2 bilhões no Orçamento deste ano para as campanhas. O presidente lembrou que durante a tramitação no Congresso tentaram elevar o valor para
R$ 3,8 bilhões, o que foi revisto na aprovação final do Orçamento.
Como fez pela manhã em conversa com jornalistas e durante a tarde pelas redes sociais, Bolsonaro citou incisos do artigo 85 da Constituição, que versa sobre crimes de responsabilidade, para justificar a posição pela sanção ao “fundão eleitoral”. “São crimes de responsabilidade atos que atentem contra (…) exercício de direitos políticos e lei orçamentária. Eu vou vetar isso? Com toda certeza alguém vai entrar com pedido de impeachment”, disse. “A posição é seguir a lei mesmo que a lei não nos agrade.”, completou.

Marina acusa governo Bolsonaro de incentivar roubo de terras


Líder da Rede afirma que presidente não tem competência para tratar de assuntos como meio ambiente e direitos humanos.
Foto: Edilson Dantas/21-11-2018
O Globo - Por Renato Grandelle

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede Sustentabilidade) não mede palavras em suas críticas ao presidente. Em entrevista ao GLOBO, acusa Bolsonaro de ser "inconscientemente incompetente" sobre assuntos como direitos humanos e meio ambiente, diz que o governo premia grileiros que roubam terras públicas na Amazônia e que, se a atual agenda ambiental for mantida, o Brasil terá dificuldades em ratificar seu acordo comercial com a União Europeia. Ela também se diz pessimista em relação à agenda ambiental oficial em 2020.

Marina voltou aos holofotes em maio do ano passado, quando, junto a outros ex-ministros do Meio Ambiente, denunciou o desmantelamento da pasta. O grupo também pediu a moratória de projetos de lei que incentivassem o desmatamento na Amazônia. E, em dezembro, Marina partiu para a Conferência do Clima (COP-25), em Madri, onde foi questionada por diplomatas estrangeiros sobre o atual rumo do governo brasileiro. Para ela, a delegação brasileira teve um desempenho "vergonhoso".